quinta-feira, setembro 22, 2011

PENAS DA MORTE

«A pena de morte é má porque não permite a reparação de um erro (na avaliação e na fiabilidade das testemunhas, na investigação, na produção de prova, no julgamento). Mas fora isto a sociedade, que muitos afirmam soberbamente "não ter o direito de tirar a vida a ninguém", faz justamente isso —  indirectamente  todos os dias; pelo menos cria boas condições para isso acontecer: dá licenças de porte de arma a criminosos ou a 'cidadãos' descuidados ou incapazes; dá cartas de condução a amblíopes, ou a pessoas com estranhas e raras doenças neurológicas, ou simplesmente a psicopatas; licencia produtos avariados como bons para consumo do público  por pressão de fabricantes e de laboratórios; arruína as pessoas, os povos com gestão danosa dos dinheiros públicos - tornando a vida dos cidadãos um inferno insuportável; desculpa crimes a minorias étnicas a pretexto de que são 'desfavorecidos'; premeia a vigarice e despenaliza a corrupção; paga tratamentos termais a funcionárias públicas aldrabonas e ajudas maternais a abortadoras — enquanto que ao mesmo tempo retira apoios a mães pobres e a famílias que ainda se atrevem a querer viver como famílias; enfim, ajuda também ao suicídio. Ninguém está livre de juízo e não há ponto de vista puro.» Besta Imunda

2 comentários:

floribundus disse...

os EUA começaram como sociedade esclavagista
e 'Texas não é só isto'

por cá a pena de morte é pela fome
republiqueta fascista

Anónimo disse...

Tudo se pode dizer e tudo se pode relativizar e qualquer tema se pode abordar por quatrocentos mil novecentos e setenta e sete prismas diferentes.
At the end of the day, por imorais, absurdas, prejudiciais, injustas e tudo o mais que sejam as condutas referidas, mesmo assim, não me parecem comparáveis à postura de um estado que mantém em vigor uma lei ao abrigo da qual tira directamente a vida a um cidadão seu.

Virginia