quarta-feira, setembro 21, 2011

A BACTÉRIA DO CRIME

Já cá faltavam os inquéritos do sr. procurador-geral da República. Se há coisa tenebrosa e que normalmente significa o contrário do que quer dizer é o chamado inquérito-crime ordenado pela PGR. O caso da ocultação de dívidas públicas na Madeira já está investigado à nascença, tendo um culpado absoluto e outro relativo, ambos pródigos na bactéria do crime contra o erário. Se Pinto Monteiro queria ressurgir do túmulo mediático, escusava o esforço. Alberto João Jardim já é o culpado relativo. O culpado absoluto chama-se José Sócrates pelo péssimo exemplo que deu no seu desastroso e egolátrico desgoverno. Pertence aos socratistas a ocultação e manipulação total e absoluta das cifras do défice em 2009. Haverá coisa com mais dolo, mais primitiva e desonesta? O que está antes e veio depois disso faz de Jardim um santo na proporção do dano. Querem abrir um precedente e processar Jardim? Comecem por processar José Sócrates para romper com o sentido selectivo de justiça nutrido e acalentado pelos socialistas. 

1 comentário:

floribundus disse...

'candeia que vai à frente
alumia duas vezes'