domingo, março 07, 2010

GUNTHER ARGLEBE 1933 — 2010

Assinalo, compungido, a perda do maestro Gunther Arglebe, fundador do Círculo Portuense de Ópera (CPO) e durante vários anos director da Orquestra Sinfónica do Porto. Graças a ele vivi, desde logo, na minha infância, bravos momentos musicais, no auge da sua actividade, décadas de setenta e oitenta. Com o saudoso e enorme maestro José de Castro multiplicaram-se iniciativas coral-sinfónicas: a música clássica fervilhou, flamejante, influenciando e formando uma geração de indeléveis melómanos nos quais me incluo. Vivi cedo, na minha carne e no meu sangue, com o exemplos dos dois amigos Gunther e José de Castro, essa enorme paixão pela Música que mais inebria, excita e sublima a nossa mortalidade inconformada. Brinquei com os seus dois filhos, o Carlos e o Ricardo, na casa vizinha, onde por largas décadas viveu com a sua esposa, a cantora lírica Annerose Gilek. Para comigo sempre afável, acolhedor; para com todos um modelo, apaixonado pelo seu trabalho: naquela casa, paraíso de plantas e arvoredos, recordo o piano de cauda, a voz potente da esposa cantando, ensaiando, naquela sala feliz repleta de luz, como num templo. Essa Música foi a paisagem de fundo das nossas brincadeiras de crianças, subtil educação-reminiscência de um gosto para a vida. Mais tarde e por várias ocasiões, cantei sob a sua direcção. Faleceu este sábado, aos 77 anos, em Vila Nova de Gaia. Encontrava-se doente há já bastante tempo, imobilizado e praticamente confinado à sua casa na praia da Granja. O funeral realiza-se na segunda-feira de manhã, em local e com hora ainda a designar. Na tarde de domingo, músicos da Orquestra Nacional do Porto vão prestar-lhe homenagem na sua casa na Granja. Gunther Arglebe nasceu no Porto, em 1933, filho de pais alemães. Depois da formação escolar nesta cidade, estudou música e direcção de orquestra em várias cidades alemãs, nomeadamente em Munique. Regressado ao Porto, foi fundador do CPO, em 1966, director musical da orquestra de câmara Pró-Música, tendo depois assumido a direcção da Orquestra do Porto, inicialmente ligada à Emissora Nacional e depois à RDP. Dirigiu várias outras orquestras tanto em Portugal como no estrangeiro. Gunther Arglebe foi também professor no Conservatório de Música do Porto. Os meus sentidos pêsames aos filhos, esposa, e aos meus caríssimos amigos Eugen e Graça Voss.

Sem comentários: