sábado, setembro 18, 2010

MINORITÁRIO FERMENTO DO AMOR

Um homem apenas, Pontífice Máximo de uma Igreja cada vez mais minoritária e por isso mesmo melhor, mais fermento do amor evangélico; homem sobre o qual recaem tantas vezes os insultos injustos de quantos, desconhecendo o valor absoluto do precioso menino o atiram fora com a água do banho. Olhe-se para vinte séculos de Igreja, tanto sangue, porém tanta experiência fecunda acumulada, sabedoria e saberes, que Google nenhum se lhe pode equiparar. Precisamos todos de cura todos os dias: não há linchamentos nem lapidações na nova ordem do Amor inaugurada pelo Filho de Deus, o trigo não liquida o joio. Crescem juntos no risco da perda ou da multiplicação do talento. Carecemos todos de cura. Todos os dias. Foi precisamente isso que o Papa Bento XVI traduziu e reiterou, em Westminster, ao lamentar profundamente os abusos sexuais de menores no seio da Igreja Católica, pecados gravíssimos, crimes inenarráveis, com a vergonha e humilhação provocadas pelo escândalo. O Mal deve ser superado, não repisado.

1 comentário:

floribundus disse...

a condição humana não muda para os qu são membros da Igreja