segunda-feira, setembro 13, 2010

MORRA O ESTADO SOCIAL! PIM!

Morra, Pim! Alguém anda a mentir muito ao País, há muito tempo, mas deve ser normal porque o País não se importa. Quando tudo isto implodir, então o País compreenderá quem e como foi arrastado para o abismo. Para Carlos Ferreira Madeira, do i, o optimismo em anaconda que o "socratismo" urde, liquidar-nos-á. Deve ser verdade, mas até esse ponto, cantando e dançando, o pantomineiro-mor injecta álacre demagogia nos problemas prementes de défice e dívida com que nos deparamos: «Qualquer pessoa lúcida pergunta: quem paga a factura e com que dinheiro? Teixeira dos Santos está a contar com 450 milhões de euros, por via dos cortes nos benefícios fiscais, para reduzir o défice. O PSD veta a ideia porque exige ao Estado que corte na despesa e inverta o ciclo de redução do défice à custa do aumento de impostos - o que sucede em Portugal desde 25 de Abril de 1974. E logo cai o Carmo e a Trindade. Cuidado: querem liquidar o Estado Social. E coitadinhos dos portugueses que não sabem viver sem ele. Mas para que serve o Estado Social falido? Os 15% dos portugueses que pagam 85% do IRS começam a sentir a corda na garganta por causa da loucura redistributiva dos arautos do Estado Social. Acresce à dura realidade que a emissão de dívida pública, colocada quarta-feira, atingiu o nível perigoso de 5,973%. Em Março de 2010, no pico da crise da dívida soberana desencadeada pela Grécia, Portugal pagava 4,171%. Ou seja, por cada 100 milhões de euros, o Estado paga agora seis milhões de juros ao ano. Onde vai o Estado buscar o dinheiro? Na última década, a economia cresceu menos de 1% ao ano e as previsões para o futuro são desanimadoras.»

2 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

"Optimismo em anaconda" ????
AH AH AH AH você é genial !!

Virginia