domingo, setembro 19, 2010

STULTIFERA NAVIS

Eis uma resenha assustadora de um País assustador, por Vasco Pulido Valente, Público: «O país vai cada vez mais depressa a caminho de um desastre. Mas vai sem a identificação dos culpados. Tudo se passa como se o destino nos levasse para o fundo contra a vontade de toda a gente. O que não é manifestamente verdade. A lista dos loucos da semana  e só desta semana  chega para mostrar a nossa complacência com a irresponsabilidade, o erro e o delírio. José Sócrates  A dívida pública aumentou 14,2 mil milhões de euros do princípio de Janeiro ao fim de Agosto. A dívida directa líquida do Estado está hoje em 147 mil milhões de euros, 90 por cento do PIB (quando devia ser no máximo de 60 por cento). O défice excedeu no segundo trimestre em 6,2 por cento o défice do ano passado e o volume previsto no Orçamento (quando devia diminuir). Os peritos falam em recessão e numa intervenção iminente do Fundo Monetário Internacional. Angela Merkel prometeu sanções. O sr. primeiro-ministro (onde foram descobrir este homem?) mandou um secretário de Estado garantir à populaça que as coisas correm lindamente. E anda, entretanto, em campanha eleitoral, como campeão do "Estado social", para que não tem, ou terá, dinheiro. Pedro Passos Coelho  A Constituição da República, por obra da esquerda (sempre lúcida) e em particular por obra do ilustríssimo dr. Cunhal, é programática e deve ser revista. Acontece que a revisão não é uma prioridade, excepto para o sr. Pedro Passos Coelho, que não consegue perceber a evidência, mesmo se tropeça nela. Desviar Portugal para uma questão neste momento frívola e teórica (e descer nas sondagens) não o incomoda. Consta que o eng. Ângelo Correia (onde foram descobrir este homem?) o aconselha e o aprova. Alegremente, o suicídio do PSD continua. Ribeiro e Castro  Quem convenceu esta soturna mediocridade que alguém o queria para Presidente? Se por acaso, num espasmo de loucura, a que frequentemente é sujeito, Portugal lhe desse meia dúzia de votos, dividindo a direita, metade da população fugia a nado para Marrocos. Não se compreende como Paulo Portas não lhe aplicou ainda uma urgente e necessária martelada. Deputados do PS, PSD e CDS  Anteontem, os deputados do PS, do PSD e do CDS recusaram condenar Sarkozy pela expulsão dos ciganos. Não vale a pena comentar. A Assembleia da República é hoje o centro da desvergonha nacional. Merecia que a deportassem para a Bulgária.»

1 comentário:

Alma peregrina disse...

Caro Palavrosaurus Rex:

Muito obrigado pelo convite para seguir o seu blog. Gostei muito (especialmente do nome eheheh)!

Convido-o também, sem qualquer presunção, a dar uma espreitadela ao meu
http://cronicasdeumaperegrinacao.blogspot.com/

Quanto ao post em questão, concordo com praticamente tudo o que foi dito... mas será que há alguma diferença entre estes polícos de agora e essa raça de político que sempre houve?
Estamos claramente num fim de regime. Não significa que vá haver uma revolução, significa pura e simplesmente que o regime como o conhecemos está moribundo. Não modificar nada é arrastar esta morte e a miséria que lhe é anexa (e é uma morte que pode arrastar-se por séculos, como mostra a história de impérios passados).
Logo, é preciso mudarmos o nosso paradigma. Sim, aí é que está a minha única discordância com o texto. A revisão constitucional é oportuníssima e adiá-la enquanto a economia não melhorar é adiar o tratamento enquanto a doença não melhorar.

O problema está na revisão constitucional que Pedro Passos Coelho advoga. Horrível! Bem que se podia retirar o socialismo da Constituição sem lhe introduzir o erro diametralmente oposto do liberalismo. Francamente! Que oportunidade desperdiçada...

Continue a postar!

Pax Christi