sexta-feira, dezembro 31, 2010

ALDRABAR NÃO COMPENSA

Acho triste que muitos dos apressados abençoadores do último relatório PISA, incluindo ex-ministros, não tivessem preferencialmente optado por um silêncio prudente para não caírem no ridículo. O Carlos Botelho, tal como eu, não perdoa: «Se o primeiro-ministro Sócrates (e a tropa que o acolita) não tivesse feito um aproveitamento demagógico/aldrabado do último relatório PISA (enfim, o homem não consegue escapar à sua identidade), não haveria lugar a fazer comparações, agora, entre esse e o dos Testes Intermédios (3.º Ciclo e Secundário) de 2010. A comparação é desajustada, porque os dois relatórios tratam, em grande medida, de objectos diversos? É verdade, num sentido. Mas acontece que a inevitável comparação não é feita sobre aspectos neutralmente "técnicos" - é feita sobre um objecto já inquinado por Sócrates: como não podia deixar de ser tratando-se da personagem em causa, o Relatório PISA foi transformado num objecto de propaganda política - e da mais rasteira e grosseira que se possa conceber.» Carlos Botelho

1 comentário:

Daniel Santos disse...

Um bom ano.