quinta-feira, dezembro 16, 2010

CARLOS

Carlos Pinto Coelho «Gostava que lhe chamassem “o senhor Acontece”, considerava ser essa “uma forma gentilíssima” de lembrar os nove anos, em que diariamente acabava o magazine cultural que teve na RTP2, de 1994 a 2003, com a célebre frase: “E assim, Acontece”. O programa foi cancelado pela direcção de José Rodrigues dos Santos.»

4 comentários:

floribundus disse...

acontece
haver asnos que acabam com a cultura

Miguel Ângelo disse...

Lá se foi um grande homem da cultura em Portugal...mas outros virão para que a cultura não seja um projecto adiado.
Um grande abraço

francisco disse...

acontece
haver morcões que, escrevendo pessimamente, vendem livros às arrobas, e acabam com programas televisivos sérios.

Anónimo disse...

Rodrigues dos Santos é um quadrúpede.
Posto isto, que é incontestado, tenho que aqui escrever, meu bom Joshua, que me decepciona sempre (ultimamente...) quando venho a saber - eu passava sem a informação - que "fulano de tal está em câmara ardente no Galveias". Carlos Pinto Coelho era livre de ser agnóstico ou ateu; ou até de usar avental; e como morreu subitamente, espero que 'isto' não constitua qualquer sua última vontade; mas é certo que esta coisa das câmaras ardentes do Galveias está a tornar-se uma epidemia! O "edil-Costa" é um autêntico industrial da necromância cangalhenta. Para Saramago, o jacobino átrio dos Paços do Concelho; para gente menos premiada (Feio, Solnado) o Galveias. O que é feito dos últimos respeitos prestados pelas pessoas na própria casa do defunto? ou no Clube de Jornalistas? ou no Ateneu Comercial (junto aos bilhares)? Não. Costa, metido a gato-pingado da República, açambarca tudo e todos. Se morre um anti-fascista, se um herói laico exala o último suspiro, se um 'irmão de loja' estica o pernil, ei-lo a preparar a capela-do-galveias, a esticar os veludos negros, a desempoeirar as tochas. Carlos Pinto Coelho merecia mais. Recusar o cerimonial católico - que tem milénios de prática e afinação - é uma opção legítima, mas é definitivamente resvalar pela encosta da falta de dignidade e do amadorismo insignificante; e a lamentável falta de dignidade costuma trazer, por arrasto, o desalinho na apresentação e roupas multicolores, bem como sapatos cómicos e modos de ida ao centro comercial - coisa que a família não apreciará, conhecendo-a como nós a conhecemos.
Mas paz à sua Alma e a devida homenagem.

Ass.: Besta Imunda