quarta-feira, dezembro 15, 2010

COM FERNANDO NOBRE, ROMPER

Se a sociedade portuguesa fosse lúcida e normal, rechaçaria Alegre, rejeitaria Cavaco e elegeria Fernando Nobre numa votação massiva, à maneira timorense aquando do referendo pela independência: em desespero e sob o princípio da ruptura. Só ele, porque provém do mundo da beneficência e combate ao sofrimento, coloca o dedo na ferida nacional quando denuncia o sistema dos partidos como um sistema corrompido, fechado, traiçoeiro e ineficaz. Não basta ser moderadamente honesto e recto, como Cavaco ou vociferante-de-esquerda, oco-de-esquerda e pomposo-de-esquerda, como Alegre, alguém que não se senta com povo à mesa, não se mistura com gente comum e levanta sempre o nariz perante o cidadão comum como se o pivete viesse todo dali. Não chega. É absolutamente urgente não ser covarde e romper com o Polvo que nos sopeia. Essa coragem e essa liberdade estão em Fernando Nobre. Eu voto em Fernando Nobre.

8 comentários:

Anónimo disse...

Nem sei se Defensor Moura ainda tem espasmos cadavéricos (puramente electro-químicos...) na mesa de necrópsias da política; Robot-Lopes, uma espécie de emanação do intestino estalinista do arquiológico PCP, terá a percentagenzita esperada - qual irrelevante barómetro da bizarria comunista portuguesa. Alegre, gasoso e obsoleto, nada sabe de nada; é apoiado pela aberração esquerdóide e raivosa do BE - esse depósito de estéreis beneficiários do Orçamento-de-Estado. A única característica visível que alegre ostenta, como um espantalho, é ser anti-fascista e ter o apoio tóxico de pinto-de-sousa (que ele no fundo despreza por ser ignorante, usar Armani e não ler poesia). De Cavaco nem vou falar, pois está tudo dito e é tudo sabido. Nobre não me agrada pois tem sem dúvida o sardónico apoio de senescente-soares. Não chega dizer que "já viu gente morrer de fome e esmagada" (numerosos outros anónimos médicos passaram pelo mesmo dentro e fora do País, na Metrópole e fardados no Ultramar, tal como meu pai). Nobre é humano como todos os outros. Não é santo mas queria ser; tem vaidades e ambições. Resta saber se a sua independência dos partidos seria suficiente para manobrar com perícia no armadilhado 'sistema'; e a resposta é "não". Em vez duma eleição precisamos é de usar galhardamente a espada na gorja do regime.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

O que é que se deve esperar de uma besta imunda, oh palavrossaurus rex ?

Gosto de o ler, embora estejamos, muitas vezes, em campos distintos, ou mesmo opostos.

Por exemplo, eu voto Francisco Lopes, uma canditatura colectiva dos trabalhadores, dos reformados, das mulheres, dos jovens, das crianças, dos explorados e oprimidos.

E não se diga que é cassette, já que é história real, certificada por 90 anos de luta consistente ao serviço da Pátria e do Povo

João Pedro

George Sand disse...

Eu como não faço tenções de votar em nenhum, estou à vontade.
Não tenho nada contra o Fernando Nobre, que tem, como toda a gente sabe uma carreira acima de qualquer suspeita. Acho até que não precisava nada disto, de se candidatar a Belém. Já deu as provas que tinha a dar e está muito acima disto.
Agora há algumas coisas por explicar, cabalmente, nomeadamente o facto de estar inscrito na Real Associação de Lisboa, sem nunca ter cancelado essa inscrição. É possível ser-se candidato e monárquico? É! Até já tivemos um Presidente, assumidamente monárquico. Mas devia assumir publicamente e não estar com evasivas em relação a esta questão.

João Amorim disse...

caro George

O facto de ser simpatizante da monarquia não é obstáculo de ser candidato à presidência de uma república. O ideal seria ele esclarecer a sua posição pois ambas são divergentes em vários contextos. Todos mudamos as nossas convicções no tempo. O ideal seria irmo-nos aperfeiçoando.

Semisovereign People at Large disse...

Essa coragem e essa liberdade estão em Fernando Nobre.
vote Fernando Nobre, a nova Maria de Lurdes Pintassilgo de 2010

a melhor escolha entre várias desagradáveis mas ineligível

Daniel Santos disse...

também eu voto.

George Sand disse...

Olá João Amorim,

Não tem nada a ver com o facto de ser simpatizante da monarquia. Mas acho que ele devia falar claramente sobre o assunto, coisa que não está a fazer. Aliás já falámos sobre isso.( o bacalhau estava uma delícia!)
Simplesmente acho que o Fernando Nobre, tem um lugar que não é este. E não vejo em que é que este o possa beneficiar.
Ora cá vou acrescentar o seu blog, finalmente...;)

João Amorim disse...

caro George

Com esta do bacalhau me fiquei. Bem, a ser assim posso dizer que o Nobre está se está a portar como um anfíbio, não não consigo perceber se ele é mais peixe ou mais mamífero!

abraço