terça-feira, agosto 19, 2008

EM NOME DO SILÊNCIO CONTRA O SILÊNCIO


Nunca se falou tanto de silêncio na política nacional em especial
no que toca à estratégia da liderança no PSD.
O silêncio, que em muitos casos é de oiro, parece aqui de rato
no sentido da insignificância mesmo.
O hieratismo e a distância tornaram-se programa.
Por isso soa a inconsistente e tem muita estranheza dentro
as declarações de Aguiar Branco, por muito que até se justifiquem em si mesmas.
É mais uma entrada pífia, caída do céu, inesperada,
porque o partido tirou férias prolongadas.

2 comentários:

H. Sousa disse...

Não duvide que no dia em que os seus comentários deixarem de convir ao sistema, os sr.s do Público bloqueiam o aparecimento do link no Twingly, como já fizeram comigo. Este post linka o mesmo artigo que o seu (e fê-lo primeiro) e não aparece:
http://inerte.horabsurda.org/?p=282

Abraços

Tiago R Cardoso disse...

bem visto, eu vou mais longe e acredito que tudo o que podíamos ter para a nossa saúde mental seria o silencio deles todos.