sábado, agosto 23, 2008

SAÚDE TAMPAX


Ir nascer (ou morrer!) longe é frase adequada a um Povo
que, em matéria de saúde, anda literalmente de Caifás para Anás
e de Herodes para Pilatos até à flegelação e crucificação finais.
Faltam médicos. Há rupturas. Excesso de serviço sobre ombros só humanos.
Dão-se alarmes aflitivos de desequilíbrios e dificuldades.
Talvez seja apenas uma fase, mas estamos paralisados num estado tampax
em sede sanitária, o que nos aflige de terceiro-mundo.
O que foi feito para fluir e sair normalmente deve sair e fluir normalmente.
Ou mudar-se a tempo e a horas, com prudência e inteligência.
lkj
Cheira às consequências de essa a escalada de reformas antecipadas
entre milhares de profissionais experientes,
mas erodidos com as sobrecargas laborais
promulgadas pelos camelos que nos apascentam.
Cheira a encerramento porque não há quem.
Isto dos encerramentos em Portugal é uma coisa formidável.
lkj
«A Maternidade Alfredo da Costa, a maior do país, está no limite da sua capacidade, alerta o director clínico da instituição onde nascem seis mil crianças por ano. A situação agravou-se com o encerramento, desde Julho, da urgência obstétrica de Vila Franca de Xira e, esta semana com a de São Francisco Xavier». [Público]

4 comentários:

AnA disse...

Caríssimo, se fosse só a saúde a estar com um "tampão enfiado".... Ás vezes gostava de ser como a avestruz e enfiar a cabeça na terra para não ver o que se passa à nossa volta.

Tiago R Cardoso disse...

não sei, andas demasiado analítico, prefiro quando te enervas com o mundo e com a vida.

Não entendo porque se fecha a maior maternidade do país para se espalhar por vários hospitais, mas isso sou eu que sou inculto.

antonio ganhão disse...

Existe uma concorrência desleal entre o sector público e privado na área da saúde. Como podem sobreviver os privados se o público oferecer um melhor serviço e praticamente gratuito?

Como podem sobreviver as maternidades privadas que nascem como cogumelos no parque das Nações?

Pois aí têm a resposta: encerra-se o público!

Pata Negra disse...

Antes de mais nada que se saiba: por acaso eu nasci em casa e por acaso fui bme nascido. O Estado é abstracto, o governo é abstraído e o SNS está em fase de despejo pelo Estado e humilhado pelo Governo.
Encerrar, fechar, alienar, privatizar, são a marca que fica deste xuxalismo só cretino! Valha-nos o tampax! Dá para tudo: para andar de cavalo, para fazer ski, para tudo, segundo a publicidade...
Um abraço da cama onde nasci com o tampax que sempre dispensei.