segunda-feira, agosto 25, 2008

MILITARIZAR COMO BERLUSCONI?


Esta matéria da criminalidade e da insegurança está implantada
como um chip de alarme no espírito dos portugueses e ninguém consegue torneá-lo.
O que nos inquieta é sentir que os responsáveis políticos do governo
ao mesmo tempo que não se sentem confortáveis,
capazes de adequar o discurso à acção imediata e decidida,
parecem aguardar simplesmente que a maré negra de intensificação criminal passe
para só depois se atreverem passar a mensagem de que alcançaram resolvê-la.
lkj
Ora tudo em Portugal, a brandura portuguesa, parece um convite para facilitar a vida
a arruaceiros bebedolas, agressores de agentes da lei, a violentos ladrões,
a gangues internacionais, eventualmente a comandos operacionais profissionalíssimos,
bem preparados para golpes imaculados,
sem sangue, e que, por serem bem sucedidos, lhes abrem efectivamente as portas
a uma reforma dourada num paraíso tropical qualquer.
Esses ninjas do C-4 saíram de um filme do Batman, mas sem justiça reposta.
lkj
E o que pensará a polícia judiciária dos seus meios?
Só mesmo eles para sentir por experiência
um tipo de criminalidade de natureza inédita em Portugal
aproveitando todo o tipo de fragilidades de segurança gerais,
do sistema psíquico nacional,
das pessoas e bens, País onde afinal as punições são suaves e a justiça é,
em quase todos os domínios, laxa, nada para ser levada a sério.
lkj
e a tranquilidade de um Povo já nos seus limites em face
das opções egocêntricas e associais das forças vivas financeiras nacionais,
dos poderes económicos instalados, dos decisores que elegemos
e do que perpassa em negligência, orçamentalismo irresponsável,
incompetência, mediocridade das abordagens e falta de zelo pelos cidadãos.

2 comentários:

Joaquim Alves disse...

E tudo isto levará a que a sociedade, os cidadãos, sentindo-se abandonados pelo estado que devia velar pela sua segurança, vão partir, mais cedo ou mais tarde, para soluções extremas e desenquadradas do direito, da legalidade, com tudo o que soluções dessas representam muitas vezes de alguns menos culpados poderem vir a pagar pelos verdadeiros bandidos.

Tomei a liberdade de colocar o teu blogue, nas minhas "Politiquices".

antonio ganhão disse...

Ora! ambém não é assim! Sempre temos a ASAE! Não vês como eles actuam nos mercados, juntos às velhinhas de banca aviada, nas cantinas das Misericórdias e outras afins... nem tudo está perdido!