segunda-feira, agosto 25, 2008

ESPUMANDO DE RAIVA


e votam, no senado, pelo reconhecimento da independência da Ossétia do Sul.
A Federação Russa não tem o mesmo efeito coesivo atraente
e progressista da UE pelo que esta forma de retaliar
é somente um novo princípio de implosão de si mesma.
Que viabilidade para a Ossétia do Sul?
E qual o papel da Ossétia do Norte em face de esta declaração?
A russificação dos outros estados efectuada meticulosamente por Estaline
foi um presente envenenado para o futuro de tal modo
que ainda hoje sente o peso mortal do seu legado de assassino de massas especializado.
lkj
Todavia, a Rússia não pode financiar a fragmentação dos outros Estados
sem comprar indesejáveis fragmentações no seu próprio seio.
kjh
Mas sendo assim, por que recusam os russos a independência da Tchechénia?
Como é que esmagam brutalmente as aspirações de esta nação
mas propugnam por uma Ossétia do Sul descolada da Geórgia?
Que critérios regerão então o senado perante outras cem nações da Federação
que aspirem também à independência?
ljk
Se houver, como há, outras Ucrânias, procurando uma demarcação clara
do colete opressivo russo, esta megapotência do gás isolar-se-á cada vez mais,
separando-se do Mundo Real,
provando que a capacidade de gerar coesão espontânea e livre
por parte de outros estados
é algo de que a Rússia com o argumento dos seus tanques,
das suas minas e das suas sabotagens,
é incapaz. Ou então têm de ser
como a Bielorrússia e a sua resistente ditadura milagrosa.
Outrossim, a UE, atraente e capaz de gerar coesão, interesse activo,
em torno de valores e de regras onde um mínimo de respeito
pelos Direitos do Homem se faz por que prevaleça para além do mais.

1 comentário:

antonio ganhão disse...

Ossédia do quê? Deixemos os Russos divertirem-se um pouco... se calhar a Al Qaeda tb anda por lá...