terça-feira, fevereiro 16, 2010

BURRO VELHO

Crivado de vícios, não aprende línguas. Mário Soares já não é lamentável. É deplorável. Para ele, a desonestidade, o vício do Poder a qualquer preço, o pecado anti-democrático mais deslavado, em democracia, só se imputa a Santana e à chamada cinicamente "direita". Triste duplipensar. Vergonhoso lutador da demagogia. A democracia é o seu estômago bem forrado de prebendas, chorudas reformas, revestida, em suma, da habitual majestade sugadora do erário, sem qualquer espécie de pudor. Só assim se compreende a desonestidade nas suas alarves palavras de salvaguarda de interesses próprios e mentira por grosso. Não há uma só alma a pedir que um Governo legitimado pelo voto popular possa cair nem sequer por pressão da comunicação social, pelo movimento de opinião pública. Pelo contrário, pede-se a substituição de um primeiro-ministro ultra-santana, ultra-guterres, alguém envolvido em quantas trapalhadas a imprensa deslinda. Deve demitir-se como, por muito menos, Santana foi demitido. Esse Mário Soares, enfronhado nos seus livros, nos seus jantares e arrotos de Aristocrático da Liberdade, Medalha Antiga e Desbotada, olha a realidade como um Fóssil Natural. Não é possível que viva em Portugal, no Portugal corrompido pelo seu PS, capturado, absorvido e controlado pelo seu PS. Sobre o Primadonna, não há títulos sensacionalistas nem distorções obsessivas de fugas ao segredo de justiça: o que há são verdades que nem sequer o Primadonna Berlusconiano Sócrates ousa desmentir, nem o seu Governo, de tão óbvias. Logo aí a retórica soaresina é falhenta e hipócrita. Num Estado sem Direito, esmagado pelo controlo Maçónico de um PS dono do respectivo Aparelho, as chamadas escutas ilegais são do mais legítimo que possa haver, último recurso contra os abusos e a sofreguidão dos donos do Regime, dos procratinadores da Justiça efectiva, do arrastamento vergonhoso dos processos. Nós vivemos em plena subversão da própria democracia que Soares só preza na lógica de Poder e do Venha-a-Nós que toda a gente lhe reconhece. Ele lucrou com a Liberdade como um avaro lucra com a onzena. Temos um país sob cansaço, sob enjoo político, sob depressão por causa de um primeiro-ministro com toda a lata do universo. Não há comparação possível com António Guterres, que era minimamente honrado, e o seu nojo pelo "pântano" era pelo seu pântano de ávidos e sôfregos apparatchiks, os quais, perdido o Poder, se determinaram com Sócrates, mal pudessem, a nunca mais largá-lo por nada nem por coisa nenhuma. O caso de José Sócrates, teremos de reconhecer, é um caso limite de sem vergonha e baixeza democrática, pode vir Soares apadrinhá-lo porque na mão de Sócrates estão muitos empregos e cargos que lhe dizem muito. Ninguém se demite, no socratismo. Ninguém tem vergonha, no socratismo. O socratismo tem sido um exemplo de determinação, de gula, de incompetência sorridente, de flops económicos, de teimosia, de imposição, de unilateralismo, de desprezo pelas multidões, de lata e de resistência num Posto que garante e premeia com cargos todos aqueles que pode comprar, pois são esses valores mais altos que se levantam. Tem sido teimoso, insolente, tem berlusconizado o Estado, controlado a Justiça. Tem perdido o crédito sem quaisquer consequências de maior, fora o apadrinhamento alarve dos Soares deste mundo. Só por isso pouco lhe importam os ataques e as injúrias, as insinuações mais graves e até as veladas ameaças: ficam aquém do que realmente dá a entender ser e fazer na sua longa caminhada egolátrica. Politicamente falando, abundam provas contra ele. Apresentadas no lugar próprio, no terreno mediático, dão em nada: o controlo mediático é um facto. A Justiça é uma coutada de encurralados e chantageados do socratismo. Os julgamentos na praça pública são o único recurso, caminho-limite, quando mais nada funciona. E nada funciona. Nós já vivemos, graças ao Primadonna Sócrates, uma deriva pseudodemocrática de tipo berlusconiano. As teorias da "asfixia" democrática e o "plano" para amordaçar a liberdade de imprensa fazem todo o sentido. Os cidadãos comuns são controláveis por mentiras e pagos a vinte euros/cabeça para aparecerem nos Fora radiofónicos e televisivos a apoiar o Estrume. As manchetes dos jornais chocam, mas todos têm medo de represálias profissionais, pois o emprego não abunda, o subsídio pode ser bastante discricionário e é uma coisa bastante politizada. O povo português viveu 48 longos anos sem liberdade, sujeito a uma censura rígida, mas Soares já faz parte do sistema que fecha os olhos às novas formas de retaliar e amordaçar. Não há hoje pior forma de repressão política e social cruel que o desemprego sorna e subtil, que o ostracismo por causa da opinião emitida. Alguns anónimos bloguistas promoveram uma manifestação, em frente da Assembleia da República, para protestar contra o Governo Sócrates a pretexto da "asfixia democrática". Não foi um flop.  Contar cabeças não faz justiça ao mérito das causas subjacentes. Soares deveria saber disto. Cinquenta ou dez, todos foram fotografados intimidatoriamente pelos Blogues do Governo. Os jornais e rádios governamentalizados, que anunciaram a manifestação, como noutros casos similares, nunca o comentariam. Soares não vive em Portugal. A veracidade da "asfixia" é total. Todos os dias os portugueses lêem os jornais, ouvem as rádios e vêem as televisões e o diabo é a sua impotência com corruptos reincidentes. Está em perigo a liberdade de imprensa? Está. A última sondagem publicada no Expresso como outras sondagens de regime pelas quais ninguém se interessa e  em que só comparecem como sondados os ferrinhos dos cargos e dos tachos do PS nunca poderia comprovar a verdade da acusação. Se o primeiro-ministro continua a subir nas sondagens, mais dois pontos, bem como o PS, isso tem subjacente puro controlo, pura manipulação, défice de informação, é dinheiro, são processos de subversão tão velhos como Soares. Soares diz que «Certo é que a vitimização da sua figura é tão excessiva que só pode ser desfavorável a quem a faz.». Belo argumento de defesa. Toda uma filosofia. O PS é hoje odioso ao povo português, graças ao Primadonna. O povo sempre votou no PS em todas as eleições, o que, dado o esmagador absentismo do voto, só pode significar para largos milhares simplesmente votar no ganha-pão. Não há democracia efectiva em Portugal. As previsões para as últimas eleições estiveram sempre adulteradas a favor do PS, forma de desmoralizar e desmobilizar um Povo, duplamente enganado pela desonestidade das políticas perdulárias e pela falta de carácter de quem as defendeu. Um partido, com a tradição do PS, merece ser comido em talhadas pela realidade radical a que tem fechado os olhos. O PS foi sempre, mas já nem é nem parece, o Partido da Liberdade, belo slogan vazio. Antes da Revolução era idealista. Depois da Revolução aburguesou-se e é um enorme estômago a engolir Portugal, sem freios. Lembrar o PREC é uma história da carochinha perante a impunidade presente que deveria envergonhar o cínico senex Soares. O PS anda nas ruas da amargura e é uma nulidade nos tempos presentes. É um partido calado. É um partido em silêncio cúmplice, tóxico. A direita é um chavão que o PS usa para defender o seu controlo de tudo e de todos. O PS sempre foi, mas já não parece, um partido defensor das liberdades políticas. Os seus genes e a sua filosofia de base estão estragados pela desonestidade, pelo mau carácter, pela suma cretinice de quem o tutela hoje mesmo. A defesa dos mais desfavorecidos, da segurança social, do serviço nacional de saúde, criado por António Arnaut e por Mário Mendes, do desenvolvimento sustentado, da defesa dos direitos humanos, do Estado de Direito e, consequentemente, da independência da Justiça é a mais completa treta, algo que na prática faliu, algo não é praticado e serve apenas propósitos de gratidão caciquista, pois os subsidiados e ajudados pagam com votos. O PS de Soares é uma coutada de ávidos que assassina todos esses slogans antigos. O PS é somente um estômago enorme, maior que Portugal. Canta o fado do coitadinho do Sócrates porque prefere um lobo voraz e rapace à livre respiração multilateral e pluralista. O PS do século XXI está doente. Ali Babá não faria melhor. O seu secretário-geral, José Sócrates é a tragédia do PS. Como Barrabás foi relegitimado pela multidão ululante, também o primeiro-ministro foi relegitimado há pouco tempo pelo eleitorado popularucho das cervejas, dos caracóis e dos tremoços, que vota no PS como se é do Benfica. Foi relegitimado custasse o que custasse e foi também relegitimado pelos militantes do PS, no último congresso, que o reelegeu secretário-geral, por grande maioria abúlica e repleta do mesmo xanax enganador que preferiu Hitler. Neste momento, o País sucumbe ao fardo malcheirento de Sócrates e Soares tem o seu conforto, os seus slogans, à lareira, pernas estendidas num largo estertor de cínico. Bem pode alienar-se e falar da cartilha antiga. A realidade pede outro PS, outros heróis, que não gozem com a cara dos portugueses.

6 comentários:

Luís Neves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pata Negra disse...

um texto épico, todo Joshua e, só por isso, não assino por baixo. Como chegámos a Sócrates´, explica-se em três tempos mas, como Soares chegou - ou se chegou - a Sócrates, é uma grande história. Soares nunca foi povo de plateia nem sequer dama de bastidores, estve sempre no palco e no palco se embriagou - devia ter percebido a sua vez de sair de cena, não percebeu. O filme já é outro e ele mudou de personagem sem disso ter consciência. Ainda bem, nu e velho, talvez a história lhe dê o lugar que merece: um burguês gordo que gostava de dar ossos aos cães.
Um abraço com um singelo comentário num grande texto

Joaquim Ferreira disse...

UMA TEMÁTICA À PARTE... OU NEM POR ISSO... Perdoem-me mas não a posso deixar passar despercebida.
Trata-se de uma mensagem dirigida a todos os portugueses interessados em mais justiça, mais transparência, mais exigência na dedicação e empenho na por parte dos Políticos Portugueses na construção de um país mais justo. Vamos Mudar a Politiquice em Portugal...
Numa época em que cada vez mais se fala na necessidade de avaliação de todos, o exemplo deve começar por cima, isto é, pelos próprios políticos, únicos "empregados" que devem servir o Povo Português, mas que decidem o seu próprio salário.
Vamos nós determinar quanto podem receber. Eles são nossos funcionários... E foram candidatos porque quiseram...
Por isso, está online uma petição que valerá a pena... Basta que os portugueses queiram que seja uma realidade... Não há mais lugar para ataque aos vencimentos dos políticos se esta petição morrer pelo caminho. Chegou a HORA DA VERDADE... Vamos colocar os políticos AO SERVIÇO DO PAÍS e não a SERVIREM-SE DO PAÍS.! Leiam... Petição Por Políticos Mais Responsáveis.
Se é contribuinte neste país e sente-se "assaltado" ou simplesmente "escandalizado" com o que se paga como salário e ajudas aos políticos? Vamos colocar uma ordem nisto... Que os que servem o povo sejam reconhecidos pelo que fazem... avaliados e como tal, merecedores do que recebem... Está uma petição on-line disponível.
Aqui fica o link da Ler a Petição . Por favor, leia a petição até ao fim... Cremos que vale a pena! Para assinar, existe um botão que abre a janela ou então, volte aqui e escolha Assinar a Petição “Por Políticos Mais Responsáveis”..
Este é um assunto diferente do tratado. Mas creio que merece ser divulgado... Perdoem-me este pequeno abuso...
Não Calarei A Minha Voz... Até Que O Teclado Se Rompa !

joãoeduardoseverino disse...

O melhor texto que li nos últimos tempos sobre esta nova ditadura democrática que se vive em sufoco socretino
parabéns, Joshua. Abraço.

causa vossa disse...

Ferino, ingente e originário. Numa palavra: excelente texto neste parque jurássico onde só a palavra pode derrotar a "cara de mau e de pau" dos hediondos carnívoros sáurios alimentados a carne e sangue Lusitano.

Joaninha disse...

Lindo!

E esses teus herois? Achas mesmo que ainda existem no PS?

Tenho de fonte segura que estão todos a deixar a politica...Não aguentam mais!

Beijos