terça-feira, fevereiro 16, 2010

PRENÚNCIO DE MORTE

O Ocidente está em crise, crise multiforme, perdido de si mesmo, estéril, incapaz de si mesmo, permeável a hordas com valores bem diversos dos seus. Portugal não foge à regra. Tudo se dissolve sob a lei do mais forte ou do que vocifera mais. No plano político, é o fim da honra, o fim da lealdade, o fim da palavra dada, o fim da moderação quanto ao exercício do Poder. No caso do Primadonna, o Poder a todo custo esconde a tentativa desesperada de escapar à Justiça. No caso do PR, trata-se de mera táctica por currículo que adia tomadas de posição derradeiras, à medida da gravidade dos acontecimentos. Ninguém está à altura. Talvez seja assim que uma Nação começa a morrer ou se atira ao chão para não mais se levantar. A pergunta a fazer é onde radicam os fundamentos da nossa Esperança: «Cavaco quer um governo novo mas sem eleições, de preferência liderado por Teixeira dos Santos (só isso lhe permite chegar às presidenciais ainda com socialistas no poder); Sócrates quer o poder e só o cede através de eleições, apesar da sua insistência pode estar a arruinar as pretensões políticas dos socialistas por longos anos. No PSD todos querem rupturas e mudanças, falando de compadrios e almoços.» MAF

1 comentário:

Daniel Santos disse...

citado no corta-fitas.