quarta-feira, fevereiro 17, 2010

UM ANIMAL CHARMOSO

É impossível que Portugal seja prioridade! É improvável que governar conte para alguma coisa, quando, contra todas as evidências e com toda a teimosia, o que o Primadonna prioriza é provar ao coitado do Partido Socialista, só agora existente e imprescindível para si, que ele, Primadonna, ele, Animal Feroz e "Charmoso" está pronto para resistir a tudo e que «não só não se demite como espera vir a recolher ainda mais apoios na opinião pública». Qual opinião pública? A que recebe incentivos para ir votar no partido certo? A que assiste pachorrentamente à RTP ultragovernamentalizada? A que lê os editoriais servis do Marcelino, no DN e do Leite, no JN? A que se sente sob chantagem e atemorizada nas múltiplas administrações da Administração Pública, onde vigora o terror do unilateralismo vertical? Qual opinião pública? A dos cargos em pagamento por silêncios e lealdades caninas? O Animal Pseudo-charmoso e Feroz acha que cinco anos a inocular a sua imagem de esgar sorridente, gesticulando "optimismos" até à exaustão mais nauseabunda, sedimentaram fãs entre o mulherio acrítico e a multidão de alarves mal informados ou bem atascados nos tachos de regime! Deve estar seguro de que essa inframasculinidade nacional, que sonha ser igualmente pseudo-charmosa, feroz e implacável, o tem a ele, Primadonna, como referência imbatível? A exemplo do "charmoso" Isaltino. A exemplo do "charmoso" Valentim.

Sem comentários: