quinta-feira, fevereiro 04, 2010

O DIABO DRAMATIZA DUAS VEZES

Fuga. Toda a gente percebe que o Executivo, obrigado a negociar, obrigado a compromissos, presionado a decisões sérias, coerentes, francas, transparentes, multilaterais está a dar-se ares. Quer fugir. Quer fugir sobretudo porque a margem de verdade e credibilidade está esgotada, tal a argentinização perpetrada por Banco de Portugal, INE, Ministério das Finanças, ao longo do período pré-eleitoral. A guerra pífia e quixotesca às agências de rating (goste-se ou não se goste, são elas a determinar o custo dos juros!) e a superficialidade da agenda gay-política actual, os volumosos assédios aos media e as sistemáticas marradas aos livre-pensadores, livre-opinadores, tudo isso configura o impensável ou basicamente ocultado: um Mega-Pântano, Pântano ao Quadrado. Por isso, como escrevem mesmo os observadores provenientes do socialismo verterbrado, gente isenta e lúcida, mal se compreende o dramatismo político que o Governo coloca nas relações com a Oposição. Pura e simplesmente não é proporcional aos montantes envolvidos. Quando a Oposição adiou a entrada em vigor do chamado Código Contributivo que retirou ao Estado centenas de milhões de euros em receitas para a segurança social (medida de âmbito geral e nacional) ninguém falou em demissões. Agora Teixeira dos Santos ameaça demitir-se quando se joga uma quantia de menos de cem milhões a transferir para a Região Autónoma da Madeira. Teatro. Amuo. Vontade de fugir a sete pés lá para o Paraíso das offshores, dos berros, das lagostas, dos safaris em África, das compras na Califórnia, dos anúncios e sorrisos. O Povo não teve, nem tem!, recursos de literacia para descodificar os frutos putrescentes de esta casta de sôfregos.

3 comentários:

joãoeduardoseverino disse...

Este é o postal que todos os portugueses deviam ler.
Excepcional, Joshua.

www.angeloochoa.net disse...

Esta contou-ma um trabalhador de obra que tenho em mãos de telhado em anexos de casa-mãe:
Um tinha um gato.
Ao qual chamou CRISE.
Chamava-o: --- Bch, bch, Crise.
E ele vinha a dono.
Mas entrementes isto, vai de Tvs Euronews RR RTP TSF (R que os parta a todos) clarmarem dia e noite CRISE CRISE que por A CRISE que por B... Bla Bla Bla...
E gato Crise ao chamado de dono:
-- Bch, bch, Crise!...
De anestesiado,
JÁ NÃO RESPONDE!
http://portugaldospequeninos.blogspot.com/2010/02/verdadeira-da-crise-da-crise.html

Daniel Santos disse...

Impossível que se concorde em dar cem milhões à segunda mais rica região portuguesa, enquanto por cá, no continente, regiões inteiras vivem afastadas de Portugal.

Se o senhor Jardim tem um IVA mais baixo que o resto do país para poder viver à grande e depois receber de continente a diferença, azar o dele, não fosse populista.