quinta-feira, novembro 20, 2008

BPN-GATE E A ANGÚSTIA DO CARACOL


Entre a vontade [golpe de teatro?] manifestada de ir ao Parlamento,
coisa sonegada pelo PS e PSD [teatro do golpe? porque amor com amor se paga?],
e o silêncio diante das últimas notícias-Porto Rico reveladoras da hidra
que medrava no BPN, nota-se que o enorme ritmo
com que os factos relativos ao BPN-Gate se vão acumulando
sobre o terreno de jogo da opinião pública e publicada,
não joga nada a favor das pretensões imaculacionistas de Dias Loureiro,
mais lento afinal que a própria sombra nesta matéria, em face do que
é difícil discordar do Eduardo, para não dizer impossível:
lkj
«Apesar de serem só contornos, uma coisa parece clara:
um conselheiro de Estado não pode estar sob suspeita
da opinião pública em matéria de tal melindre.
O Dr. Dias Loureiro não devia obrigar o Presidente da República
a tomar uma atitude. E depois de poupar o PR a um acto dramático,
já que PS e PSD não o deixam ir contar o que sabe
à comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República,
dava uma entrevista de 20 páginas a um jornal de referência.
Talvez ganhasse o respeito de muita gente.»
ljk

Eduardo Pitta, Da Literatura

1 comentário:

Anónimo disse...

Hola Johsua, gracias por escribirme.
Lo entenderé mejor si me escribes en portugues.
Un saludo,
Preciosa niña!