quarta-feira, novembro 05, 2008

E QUE TAL REGRESSAR AO DOMÉSTICO?!


Voltar às graves questões domésticas demora muito ou está difícil?
Confesso que por muito contagiado que me sinta com o que se passou nos EUA,
perante o que nos está a acontecer de dramático, o caso BPN,
o caso ME, que treme que se farta com múltiplos descontentamentos como se nada fosse,
o caso Vítor Constâncio [para que serves tu que nada fazes e muito ganhas?],
o caso McCann e a urdidura de liquidação indirecta de Gonçalo Amaral,
com base em muito dinheiro conspirativo, muito dinheiro bem discreto
e ainda melhor manuseado. Tantos e tantos casos
de como o despudor bem agradece que percamos a nossa atenção
com matéria que nos não toca tão de perto.
klj
Quem folheie os jornais, abra os mais variados sítios da internet,
vê que a profusão dos comentários e das notícias é de tal modo monotemática
que creio bem ter sido Portugal um dos mais recentes Estados anexados
ao território norte-americano. Cheira a provincianismo.
Estamos encharcados de alienação. De resto, quem tem o Alaska, o Hawai
e uma porrada de bases militares por esse mundo afora
por que não acolheria Portugal como uma extensão do estado de Nova Iorque,
se Portugal todo se lhe dá com a rendição babadolas dos Media
e da fraca e ainda mais babável intelligentsia local?!
lkj
Adenda: algo de inédito e de admirável é esta posição do PS em face
do que o Governo procurava fazer passar por clarificar.
Sinal que ocorre em em bom timming porque se o País rejeita
por grosso as manobras de facilitismo legislativo de implícita isenção criminal
dos administradores implicados em negócios esconsos no BPN
com a agravante de estar previsto serem indemnizados mesmo provada gestão danosa,
é bom que ainda conserve o mesmo País uma ténue réstia de respeito
pelo sentido de Estado daquele grupo parlamentar porque o Pauís
esse é grave e declarado. Ó vício de manipular! A César o que é de César:
«A pedido de Manuel Alegre, o artigo relativo às indemnizações
em caso de processo por gestão danosa
devia ser clarificado, de modo a que não restassem dúvidas
de que um administrador condenado por gestão danosa
não deve ter direito a indemnizações.
lkj
O Governo de imediato se voluntariou para redigir uma alteração e ali mesmo,
ministro das Finanças, ministro dos Assuntos Parlamentares
e secretários de Estado da Presidência e dos Assuntos Fiscais
se lançaram ao trabalho. Mas a proposta teria de ser assumida
pela bancada socialista e esta optou por não o fazer».

2 comentários:

....GooNie.... disse...

hola! gracias por pasar por mi blog...aunke me ha costado entender lo que me habias dejado!!!

un saludo! :D

BookishDude disse...

Hey, Joshua, thanks for stopping by!