quarta-feira, novembro 19, 2008

ZECA FÜHRER E GÖERING DE LURDES


1. Valdemar, [algures dentre centenas de comentadores voluntaristicamente leigos no Público]
estás a ver mal o problema e é pena que seja grande a ingenuidade
que te permite por um momento pensar que este modelo de avaliação avalia.
Não avalia. Este modelo-trambolho trabalhoso e montanhoso de avaliação tudo o que faz
é bloquear a vida escolar e subordiná-la a si, extinguindo tudo o mais.
Obviamente que o problema em que o Ministério se vê agora encalacrado
deve-se à vontadinha prévia de castigar de treta e inutilidade uma classe
que particularmente o Governo detesta e persegue com denodada ferocidade.
Esse teu fanatismo pelo Zeca Führer e pela sua Göering de Lurdes
é um péssimo e lamentável sinal de visão de conjunto.
LKJ
Viaje, percorra um de esses países europeus, qualquer dos nórdicos,
por exemplo, e verá que quanto mais em paz e deixada em paz estiver a escola,
melhor o desempenho global de todos os seus agentes.
O Ministério da Educação não é um Ministério da Educação:
é um monstruoso monumento a Babel, um Esterilizador Implacável,
e uma Caixa de Pandora bem aberta a todas as desgraças de método
e de visão que se possam imaginar.
lkj
Este monstro alimenta-se a palha-burocracia, a torresmos-empecilho
e serve fundamentalmente para obstaculizar com lixo legislativo
o trabalho natural de pessoas naturais e normais.
lkj
[2. O investimento público é absolutamente essencial? Certamente que sim,
desde que deixem de ser essenciais os 100% de endividamento do Estado,
a balbúrdia na alta finança nacional, BPN-gate, os motivos estranhíssimos que levam o PS
a proteger e a impedir a audição em sede parlamentar de Dias Loureiro
e quem mais a isso se dispõe, conhecidas as notícias que se conhecem.
lkj
O Povo estranha o grande Polvo Português que sempre se encobre
e, discreta cascavel, sempre se esgueira de uma Justiça protelada. Que se passa?
Amor com a amor se paga? e se eu, Dias Loureiro [salvo seja!] louvo o Menino de Ouro
os sequazes do Menino de Ouro por sua vez salvaguardam-me
de me explicar no momento em que, dentro de tal pressuposto,
me fingo disponível? Que se passa para o PS ser tão escudo
à verdade desejada, urgente, necessária?!]

1 comentário:

Patrícia Grade disse...

Josh meu querido,

envio-te aqui um presente, para que te entretenhas a confirmar como tens razão ( e eu também)!

http://2.bp.blogspot.com/_GIPKIWTZU6c/SSNYfUHr7VI/AAAAAAAAA-Q/Kjqi4vALE48/s1600-h/VPV.bmp

segue o link, segue lá.