domingo, novembro 16, 2008

A PRESIDÊNCIA QUE FAZ FALTA


Para além do horizonte das próximas legislativas, de Manuel Alegre espera-se
a mesma espécie de atitude de ruptura com políticas da treta fatais
e processos sornas de punir e castigar com base em leis cretinas
e despachos reles, conforme temos visto.
Um País que só do ponto de vista formal vive em democracia,
mas cujo espírito em muitas questões se encontra domado e adormecido,
abstencionista e conformado, como se psicologicamente ainda vigorasse uma ditadura,
esse País necessita de um ardente símbolo de amor à liberdade
na presidência da República. O rigor mortis mental, cultural e espiritual
de Cavaco lesam-nos continuamente da falta de um contraponto que nos conforte
ante sanha abusadora pseudo-reformista que perpassa actualmente
o poder executivo. Reformar não é um acto vertical e unilateral.
Reformar é uma arte levada a efeito com boa fé
e sob a lei primordial da sinergia de esforços.

2 comentários:

Planetas - Bruno disse...

«Reformar não é um acto vertical e unilateral.
Reformar é uma arte levada a efeito com boa fé
e sob a lei primordial da sinergia de esforços»

Ninguém no seu perfeito juízo poderá discordar com a afirmação. O problema surge no momento de transpor para a prática as reformas, sobretudo quando elas implicam um sacrifício considerável numa classe Professional.

Anónimo disse...

CLARO !!!
TIVEMOS A EXPERIÊNCIA DOS JUÍZES, DOS MÉDICOS, ENFERMEIROS, ETC.
PERDER DIREITOS E PRIVILÉGIOS, PERDER ESQUEMAS URDIDOS AO LONGO DOS ANOS E À MARGEM DA LEGALIDADE INSTITUIDA, PERDER PODER PESSOAL OU USUFRUTO DO SISTEMA, PARA INTERESSE PARTICULAR, É HORRÍVEL.
É HUMANO RESISTIR À HUMILHAÇÃO DE TER DEZENAS DE ANOS DE CARREIRA E SER SUJEITO A UM EXAME QUE MOSTRA COMO SOMOS NARCISISTAS, MAS ULTRAPASSADOS E INCOMPETENTES.
MESMO EM ARTES ONDE ACREDITO SER DEUS, QUANDO ME PEDEM MEÇAS, TAMBÉM EU TREMO. QUEM NÃO TREME ?
COMO HÁ DIAS E DIAS E, EM ALGUNS, ERA MELHOR NÃO TER SAÍDO DE CASA,
TALVEZ OS INCONSCIENTES E OS IRRESPONSÁVEIS SEJAM INDIFERENTES.