sábado, novembro 15, 2008

CONTRA A TIRANIA, ACTIVISMO CÍVICO


Não há por onde disfarçar: tirando uma horda de apreciadores do lado sádico do poder
que, no fundo e na verdade, não pretende poupar ninguém
a um um futuro radioso e radiante de mão de obra barata, precaridade
e abundante miséria como forma normal de vida, e que, portanto,
também não pretende poupar os que de momento se comprazem ingenuamente
com o lado sádico do poder [o único lado em Portugal, de resto],
a esmagadora maioria das pessoas da rua vai triste e agastada
com os laivos de intransigência do ME e do Governo.
lkj
Contra a tendência de o Governo para bestializar o cidadão e para olhar para ele
como alvo apenas de uma inundação de propaganda fantasiosa e autocentrada
na figura sexy-Tony Carreira de um primeiro-ministro 'que tem pulso',
a única solução é resistir, congregar, contrapropor, contrapor,
desencadear activismo cívico e participação.
lkj
Com a descredibilização dos partidos pela sua venda ao desbarato ao poder económico,
que pelo menos sobre o Bloco Central de Interesses desencadeou uma Opa Hostil,
a única via que ainda pode salvar a democracia é a dos movimentos cívicos
com causas legítimas e reconhecíveis. O MUP e Ilídio Trindade estão de parabéns!

1 comentário:

ILÍDIO TRINDADE disse...

Só para dizer que o meu apelido é Trindade, não Martins (eu sei que numa notícia impressa apareceu, por lapso certamente, escrito - pelo menos uma vez - Ilídio Martins.

À confiança, pode alterar para ILÍDIO TRINDADE.

Abraço.