sábado, novembro 08, 2008

SAPROXILÓBIO EM TODA A GENTE


De novo, está um belo dia para morrer às mãos da Poesia.
Porque, andando por aí, ninguém mais a olha nos olhos ou lhe pega na mão.
Em vão esperarás o auxílio dos demais seres humanos
quando todos estão perdidos para si mesmos, quanto mais para os outros.
Quem é que tem Constâncio na mão, quem é que dita que tenha de ser eu,
na minha carne, mais um, a pagar o preço de este Pogrom português
que cerca de constrangimentos maliciosos a classe dos professores e outros,
mas deixa incólumes corruptos comprovados, administrações bancárias criminosas
com processos de actuação muitíssimo pouco decentes
e absolutamente nada recomendáveis? Por que motivo, de repente,
o Mundo em Portugal está tão ao contrário como uma condenação à morte de cada qual,
como um gaseamento lento e sorna das consciências, das vontades,
dos corações e das mentes?!
lkj
Tenho pedido, implorado, rezado para sair de esta misteriosa miséria material maldita
para que me vi atirado desde o primeiríssimo momento de estes três anos e meio:
é por puro amor que tantas vezes nos deixamos matar,
quando ficamos ou quando vamos.
lkj
Tenho procurado sair do meu desinvestimento e da minha descrença
sob este cerco medonho de políticas de educação sem qualquer juízo nos cornos.
Atribuo a uma só causa o meu presente desgosto e desajuste ao nosso País
nas mãos firmes de uma maioria minoritária de impositivos ignorantes cretinos:
políticas sacrificiais, unilaterais, frias, de terror, sem bom-senso,
aplicadas à ceguinho seja eu, juguladoras de apaixonados devotados
ao seu trabalho de ensinar, juguladoras de incompetentes e alheados dele,
políticas já na causa-raiz de mortes reais e literais e outras microdevastações
de que não rezaria a história, caso não houvesse arte para as narrar.
lkj
Grande, grave erro, que a Poesia não aceita e muito menos compreende,
é que se procure limpar um sistema dos seus vícios e insuficiências
aniquilando oprimentemente o próprio sustentáculo dele com pretextos pulhas.
Não eram os judeus dos Campos, sob o III Reich, além de destinados ao extermínio,
a força escrava que o tornava operativo e possível?! Arrangem outro Bode!
Um simples relance avaliativo da nossa Justiça, da nossa Regulação Bancária,
da nossa Economia e da nossa Democracia, demonstraria claramente
termos ultrapassado há muito um estado avançado de caruncho saproxilóbio.
lkj
Cidadão, há momentos em que dar uma cambalhota é pouco!
Manuela Ferreira Leite deu tardiamente a sua,
movida por bons argumentos e ainda melhores testemunhos.
É agora necessário além disso rebolar no chão, fazer a roda, piruetas e pinos.
Dar cada qual a sua cambalhota será por uma de muitas vezes
afirmar que «Não! Não foderão para sempre connosco!»

4 comentários:

Anónimo disse...

Enquanto tivermos liberdade de voto já não é nada mau!

Há que votar em consciencia, e mais que isso simplesmente votar. Para muitos levantar o cu da cama para votar ainda não é suficientemente importante.


beijo

Jaime Dinis disse...

Também vós achais que um Poeta
Só é bom quando infeliz?
A poesia permite-nos, igualmente, a solução e a indignação para além das clássicas alegria e tristeza.
Depois de António Damásio trazer a lume o conceito científico de "Inteligência Emocional", nunca mais a "tradição" será o que era.
Somos muitíssimo mais do que seres racionais: Somos seres emocionais!
Abraço,

joãoeduardoseverino disse...

Obrigado pela tua distinção ao PPTAO. O que interessa mais saber é se a Miss Portugal já nasceu? Diz qualquer coisa, meu caro Melhor Blogger do universo da língua portuguesa.

Anónimo disse...

Thank you for your comment on my blog.

Unfortunately I do not understand Portuguese. But it looks like you have a nice well designed blog.