quinta-feira, novembro 06, 2008

MARTÍRIOS NATURAIS


Uma azia estranha tomou conta de esófagos particularmente sensíveis e míopes,
dentro do espectro alargado de uma certa Direita agrafada e colada a cuspo,
pirose de estultos, de violentos, de unilaterais, de privilegiados zelosos só de si e dos seus.
Como no passado, a excelência de um modo geral corre riscos graves de não chegar viva
ao banquete completo da existência natural com morte igualmente natural ao fim.
E porquê? Porque há almas retorcidas cuja principal virtude operante
é o vício de invejar a glória alheia como se fosse glória e alheia.
A partir de ontem, vigiai e orai. Muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.
Escolham a partilha, o debate pacífico e a intervenção cívica.
Procurem escapar ao capuz da falácia, há uma Saída.
ljk
Nos consultórios, nas salas de professores, nos pontos de Metro e de Bus,
os espíritos estão revoltados com todas as rebaldarias,
todos se mostram estupefactos com o contempto do Poder por cada qual.
Pisam-se riscos vermelhos de ética, a política transpõe limites perigosos
e desafia os limites da nossa proverbial tolerância.
É por isso mesmo natural que o nosso tempo se depare
com loucuras bem conhecidas, mas de todo não esperadas.
Alerta, portanto, bem alerta toda a gente atenta
que só pela passividade pereceremos.

Sem comentários: