sexta-feira, setembro 19, 2008

CERCO A PALIN, A GRANDE GAFFE


Os levantamentos exaustivos e invasivos da conduta de Palin,
do perfil comportamental e político da sua actuação como governadora do Alasca
podem ser excessivos e semear de facto uma enorme desilusão entre aqueles que pressurosamente a apoiaram, mas digamos que a mulher,
que não tem a um terço da tarimba, do carácter e da força intrínseca de uma Hill Clinton,
embora a emule esforçadamente, se coloca bem a jeito de toda a espécie de cerco,
mesmo porque a boca lhe foge para uma verdade cruel,
ao referir-se, ó gaffe infinita!, a uma «Palin-McCain's Administration»:
«At a rally outside Youngstown, Ohio, Tuesday night,
dozens of attendees left while McCain was still speaking.
lkj
I caught up with a few of them. Some explained that the airplane
hangar where the rally was being held had grown crammed and uncomfortable.
Others said they had other events or commitments to get to.
lkj
Notably, though, the exodous had only begun after Palin spoke.
Now, the same thing has happened again.
"I look up, about five minutes into McCain's address and see a steady stream of people walking out of the rally," writes Radio Iowa's Kay Henderson from a McCain-Palin event in Cedar Rapids.»
[The Huffington Post].
lkj
Mediática e civilmente, a luta política norte-americana não olha a meios,
é renhida e vale-se de tudo, tudo, mas mesmo tudo. Em face disto,
e basta pensar no derrube de um Menezes erodido e por isso abdicante
para não dizer bailarino de todas as hesitações e regressos,
a política entre os agentes portugueses, jornalistas e profissionais de imagem,
faz deles todos uns maricas, assim como os líderes que servem ou destroem.
lkj
Pelo contrário, lá, nos EUA, há muito em jogo e muita adrenalina
nas altas esferas. Joga-se baixo. Resiste-se. Luta-se. Sofre-se.
Ataca-se quem nos ataca. Saliva-se pela vitória e pelo privilégio de servir
ou afinal de deter tão imenso poder,
deseja-se a adrenalina e por ela se faz tudo
como muitos salivam só por andar e permanecer na crista da onda.

Sem comentários: