sexta-feira, setembro 26, 2008

HELL CAME UPON BUSH ADMINISTRATION AND MACCAIN'S ASPIRATIONS


Sarah Palin, que parecia um refresco para a candidatura de John McCain
e para a dinâmica geral das Presidenciais,
revela-se agora como um claro e fatal erro de casting, um dos maiores equívocos
ideológicos, de perfil perfil políticos que o lado republicano alguma vez cometeu
e ainda por cima nem tanto pelos mecanismos
raivosos de difamação activa pelo levantamento
de ratos e ratas podres presentes e passados,
mas por inépcia própria e despreparação pura em face de dossiês seríssimos
por ela tratados e comentados desastrosamente.
Fora do argumentário ana-gomesiano,
a mulher revela-se, podemos dizê-lo sem risco de errar,
como efectivamente perigosa e campónia no pior dos sentidos.
lkj
O senso-comum, a população e a sociedade em geral olha para Bush
como um fracasso global repleto de erros sendo o objectivo de injectar dinheiro
em Wall Street em grave risco e representando um derradeiro teste.
O momento é todo de Obama que vê fraquejar com fragilidades várias
a candidatura adversária: o debate em Oxford, no Mississipi
poderá representar um momento de viragem definitivo,
antes do promissor para si 4 de Novembro.
lkj
João Pereira Coutinho ontem, na SIC-N,
considerava que as presidenciais norte-americanas e o momento financeiro actual
estavam a ter um impacto exagerado, e deproporcionado
na opinião publicada portuguesa, o que nos leva também a ler
nas imitações baratas de Sócrates o mesmo tipo de atenção apaixonada
pelo tentador impacto daquele show sedutor e clownesco.
lkj
Talvez. Considero é que o sucedâneo
norte-americano está a servir, uma vez mais, para preencher o Buraco Negro
da transparência e do debate sério de ideias em Portugal sobre Portugal.
Quando por cá nada nos atrai, nada nos catapulta, nada nos entusiasma,
porque a cleptossituação segue inalterada, o empobrecimento é um dado factual,
descobre-se invariavelmente um sucedâneo, um suplemento, vindo do exterior:
ou fim do mundo da crise financeira, ou uma crise diplomática qualquer,
ou ventos de guerra. Sem estas manobras de ilusão e de fascínio desviado
abafar-se-ía aqui de modorra, da trágica e medíocre hegemonia
do PS governo-eucaliptal forjado por Sócrates.

4 comentários:

Blondewithaphd disse...

Mensch, wann wird es genug sein?!
(Sehst Du? Auf Deutsch!)

antonio ganhão disse...

Não te esqueças disto... tá bem?

antonio ganhão disse...

Não te esqueças disto... tá bem?

Anónimo disse...

Assustador no minimo, foi de facto um erro, esta mulher é perigosa no pior dos sentidos. Abraço