quarta-feira, setembro 24, 2008

SOLAVANCOS DA PAIXÃO


Deixa-nos baralhados que, após uma legislatura
marcada por cortes administrativos de toda a sorte, se passe, de repente,
e por se tratar de um ano eleitoral,
para o desbloqueo maravilhoso de mundos e fundos em matéria de educação
sendo que, por isso mesmo, o Governo anuncie que vai investir nos próximos anos
cerca de 400 milhões de euros na modernização tecnológica das escolas,
com a instalação de Internet e de quadros interactivos,
em todas as salas de aula, com o aumento da velocidade em banda larga
e a implementação plena do projecto Magalhães,
para a distribuição de computadores a crianças do ensino básico.
ljlkj
Tudo a favor. Simplesmente é pena que a par de esse grande afã
pela dotação tecnológica das escolas não compareça igual investimento
público e explícito de apreço pela docência, pelos docentes,
pelos valores humanizadores e integradores só mediados e mediáveis
pelo exercício bem amplo da docência ancorada em Pessoas.
lkj
Definitivamente, a infotecnologia, aos olhos dos burocratas que nos regem,
parece-lhes a Pedra Filosofal e o Milagre para o saber
e para a competitividade Presente e Futura. Resta saber
se não o será igualmente a componente socializadora e integradora
operada nas milhares de salas de aula espalhadas pelo País,
e afinal mediada por Pessoas cuja formação visa o Ensino.
A educação deveria merecer mais os efeitos do amor que os da paixão,
tantas vezes efémera e instrumentalizante, tacanha e onanista.

1 comentário:

Pata Negra disse...

Depois da humilhação pública dos professores e da sua submissa rendição, que provou que afinal o governo tinha razão, anunciam-se grandes investimentos em computadores e edifícios escolares de fachada! Os resultados escolares aí estão para comprovar a eficência da medidas do governo!
O primeiro ministro já não governa, passeia pelas escolas a desfrutar o seu sucesso!
Professores? Eles aí estão: Empenhadíssimos a ilustrar portfólios para a sua avaliação e a participarem democraticamente na escolha do senhor Director!

Um abraço com sócretinos e professores pelo pescoço