quarta-feira, setembro 17, 2008

ESTERILIZAÇÃO DA PRAXE


A ideia parece ser fecunda e, se for seguida, isto é,
se o exemplo pegar entre outras Faculdades
podemos imaginar outras praxes realmente embebidas
de um sentido cívico assinalável e construtivo
que remova do senso comum a imagem só dissoluta, só ébria,
só humiliatória do caloiro e só destrutiva
que fica de esta fase: «útil fazer uma praxe que fosse mais
do que uma recepção ao caloiro e tivesse um carácter cívico e social.
Presumo que [angariar dadores de medula] seja do agrado de todos”,
disse Diogo Martins, estudante do 6.º ano da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.» [Público]
lkj
As diversas Faculdades têm um capital
de intervenção cívica e social no seu âmbito de interesses
que pode ficar à imaginação e ao sentido criativo de cada qual:
já imaginaram o impacto de acções de promoção
e divulgação de Textos Saborosos em Língua Portuguesa?
Ou acções de sensibilização contra a arquitectura pirata no interior
com exemplos e ilustrações?!

3 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

peço desculpa, não gosto de praxes, mesmo quando a sua imagem tenta ser "lavada" desta forma.

disse...

hm...

Blondewithaphd disse...

Pois eu cá não gosto muito de praxes. Mas, afinal, qual é o sentido da praxe? Assinalar uma nova etapa da vida? Nah, não me convencem.