quarta-feira, dezembro 10, 2008

CARAPICUÍBA SERIOUS SERIAL KILLER


É por vezes recorrente que um gay mal resolvido e de psique retorcida
desencadeie um morticínio imparável de outros gays a fim de, deve pensar,
eliminar finalmente essa situação contraditória de existir nos outros
já que não a pode resolver em si mesmo. De resto, as séries CSI
são uma fonte de fantasia científica que tanto alimenta de moral
um público desejoso da moral imediata crime e castigo
como de mestria sobre formas de aperfeiçoar
modos de operar e sair impune.
lkj
Os homicídios homocídas de Osasco e Carapicuíba
devem inscrever-se naquele tipicismo, mas há dúvidas.
Espraiando-se por mais de um ano, entre Julho de 2007 a Agosto de 2008,
concentrando-se num local determinado, o Parque do Paturis,
onde, à noite, tudo é possível e agora temível, estas mortes exigem uma solução rápida
e um debate alargado sobre o motivo por que quaisquer investigações
seguem inconclusivas, sempre que não atingem um mediatismo
com suficiente pressão por resultados, pois o fuel que activa
um mais decidido e decisivo combate ao crime A ou B, no Brasil,
são os Media passarem a enfocar e a refocar devidamente certos casos.
lkj
No parque, à noite, as trocas de favores sexuais entre uma fauna de famintos vários,
pistando os caminhos terrosos por encontros adrenalinizantes duplamente no escuro
estão agora recobertas de um sobressalto em pânico, má adrenalina,
por causa de esse serial killer ainda a monte e que podem ser vários.
Feitas as treze vítimas, ele bem sabe, outros o deveriam saber também,
que é ganhando a confiança e conquistando a proximidade
que o paroxismo doentio de esse extermínio se consuma,
orgasmo de raivas, salivação por sangue,
monstruosidade inominável.

1 comentário:

SP disse...

O que é feito de ti?
Nunca mais soube nada do teu blogue...
Até pensei que já terias deixado os teus sítios, mas hoje encontrei-te.
Um abraço....