sexta-feira, dezembro 19, 2008

SUPREMO DECORATIVO


Hoje e sempre a função decorativa e inerte do PR implicará
que jamais se pronuncie, como outrora era zero o Marechal Carmona,
a mona inerte e decorativíssima que fantasmagoriava Salazar sem mais.
Isto é tóxico, não há um discurso que equilibre, moralize e arbitre,
e faça um quarto do que Soares fez por muito menos.

4 comentários:

Anónimo disse...

Eu espero que à hora que leres isto tenhas tido a decência de calçar os calcantes e estares a caminho :)

quink644 disse...

Penso que o silêncio do presidente Aníbal António é de ouro, já que sempre que abre a boca... nem que seja para comer bolo-rei...
Não percebo é porquê que ele insiste em fazer de conta que existe...

Marcos Santos disse...

Antes fosse. Aí, como aqui, é pior do que decorativo... É daninho.

Daniel Santos disse...

Já vistes o problema que era a dissolução do parlamento?

A melhor forma de combater o actual regime passa pelo desgaste do próprio, algo que deverá se acentuar mais até ás eleições.

A dissolução será aquilo que Sócrates quer agora, segundo as sondagens hoje ganharia.