quarta-feira, dezembro 17, 2008

MALEFÍCIOS DO UNIFOMISMO EUROPEU


[Em vez de estrelas, bandeira de molas]
lkj
A história da Europa é recheada de particularismos infinitos
e de uma essencialidade identitária comum. A UE veio
aprimorar em muitos casos o uniformismo mais obtuso
e o nivelamento mais empobrecedor e nem sempre
relevar a tal essencialidade feita de Razão, Ética, Pluralismo,
Consciência, Democracia, Liberdades e Garantias
e um fundo resíduo espiritual assente nos valores do Decálogo
dentro da explosiva generosidade da abertura cristã.
lkj
Apesar de considerar que a harmonização de horários
e modalidades laborais europeia visa compensar a pressão chinesa
e alguma coisa terá de ser feita para reequilibrar essa correlação desnivelada de forças,
pergunto-me por que não flexibilizar a opção de cada estado membro
entre as 48 horas e o prolongamento até às 65 horas semanais.
Não é agradável de um ponto de vista social nem tampouco pacífica,
mas é sempre uma opção livre de quem emprega e de quem trabalha,
quando na prática muitas vezes já se supera de longe o tempo estipulado.

4 comentários:

Blondewithaphd disse...

Correcção: nem é até às 65 horas, é pior... até às 70 horas em casos extraordinários!!! Tamos fritinhos!

(Bem, a malta chega aqui e até lhe salta a vista de tanta produção!!!! Bolas homem, que és mais rápido que o Lucky Luke!!!):)

Pata Negra disse...

Contra o desemprego, que cada um trabalhe mais horas para deixar mais tempo para outros trabalharem!
Estarei confuso? Ou será isto?
Um abraço muito confuso

Daniel Santos disse...

não acredito no prolongamento do horário de trabalho.

Tiago R Cardoso disse...

Totalmente contra o horário de trabalho alargado.

Contra porque oalargamento é imediatamente aproveitado por muito patrão para calcar a cabeça ao empregado.

Se esse alargamento significar algo de bom para a empresa e para o trabalhador, tudo bem.

Agora se isso for apenas para cortar no numero de empregados, tentando fazer mais com menos, não obrigado.