terça-feira, dezembro 30, 2008

ENTRE SINAIS DISSOLVENTES



1. Tudo indica que a TAP foi vítima de uma monstruosa leviandade e, por isso mesmo, está a analisar a possibilidade de vir a processar a Aircraft Engineers International (AEI), uma associação internacional de manutenção aérea, depois de ter esta, graças a uma maldosa queixa anónima, ter denunciado falhas de segurança nos seus voos, que comprometeram a segurança dos passageiros.“O assunto está entregue à administração da TAP e aos seus advogados, que ainda não decidiram o que vão fazer”, segundo António Monteiro, porta-voz da companhia aérea portuguesa. Falta sentido de responsabilidade e de freio em muitas chefias de qualidade duvidosa e qualquer coisa que belisque uma companhia da importância da TAP terá de ser justificada, muito bem justificada, se é que tem alguma espécie de justificação.
lkj
2. Só um raciocínio simplista poderá ver na recente acção militar israelita ainda em decurso um esforço para impedir que rockets artesanais atormentem os residentes de algumas das suas cidades no Sul, ou sequer que Israel pareça ter insuflado nova vida ao decadente movimento islâmico na Palestina. Que é decadente não há dúvidas, daí a sua pujança como o estertor japonês kamikaze. Só com um olhar de séculos se poderá ver o jogo de xadrez no terreno com o lento movimentar das peças até ao desfecho final em cem, duzentos ou mais anos, quando terá desaparecido a Palestina e só existirá Israel. Como é um processo lento e os desígnios de Iaweh são insondáveis, não daremos pela consumação de isto.
lkj
3. Há o teatro das operações e o teatro das tréguas propostas no teatro das operações, por isso mesmo Israel terá proposto hoje uma trégua de 48 horas na guerra na Faixa de Gaza ao que Robert Lowe, investigador no Royal Institute of International Affairs, em Londres, vem considerar ser “uma ideia sensata”, antes que as críticas internacionais “aumentem à medida que subirem as vítimas civis palestinianas”, como se o que predominasse em matéria de política internacional fosse sensibilidade ao número de vítimas. Se assim fosse, o Iraque teria sido impossível assim como outros danos colaterais em outros tantos conflitos no planeta, sobretudo em África.
kjh
4. Como se pode ler facilmente, há certos sectores sem acesso a rombos e a falcatruas na alta finança e nos produtos e investimentos tóxicos que não têm direito a avales, e é por isso que a CGTP denunciou hoje dívidas de 191 milhões de euros referentes a salários e indemnizações em atraso a mais de 20 mil trabalhadores. Segundo a confederação, o distrito mais afectado é o grande Porto e a região Norte, sendo as indústrias do vestuário e do têxtil as mais lesadas. Basta ler e descobrir as diferenças.
lkj
5. Outra forma de guerra, económica e estratégica é a travada entre os fornecedores de energia e os que apenas podem cumprir o papel de consumidores, matéria a que deveríamos estar atentos no presente e no futuro pois passa por aí a fonte de aflições do mundo ocidental, sobretudo quando a arma económica vem mesmo a calhar para punir opções e rivalidades de carácter político: a gigante gasífera estatal russa Gazprom criou ontem uma comissão especial para proceder a eventual corte do gás natural à Ucrânia, a 36 horas de terminar o prazo dado por Moscovo para Kiev pagar dois mil milhões de dólares em dívida. Sob a pressão do fim de prazo, a gasífera ucraniana anunciou que pagaria até ao final do dia praticamente todo aquele valor, excluindo os 450 milhões de penalização.
lkj
6. Contrariando as previsões de corrigendas e de recomendações, dadas as evidências de ser já nesta altura o OE 2009 uma ficção zombie em andamento, aparentemente o Presidente da República promulgou hoje o Orçamento de Estado para 2009 e já terá informado o Governo de José Sócrates da sua decisão, noticiou esta noite a SIC Notícias, o que só se compreende tendo em conta a lógica de uma no cravo outra na ferradura de um Cavaco bastante errático em matéria de diagnóstico do tipo de gente com a qual tem cooperado institucionalmente. Entre tantos sinais de dissolução de ética e costumes, este parece-me, simplesmente e sem dramas para além da tragédia em decurso, somente mais um e bem sintomático de fragilidade e contraexpectativa.
lkj
7. É uma pena que não oiçamos uma asserção assim determinada, com odor a Baltazar Garzón, relativamente à corrupção que grassa no cerne do Estado e é por isso mesmo que nos soa a parangona e a soundbyte da treta que o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, saliente hoje que "o combate à criminalidade violenta e grave continuará a ser a prioridade da estratégia de segurança para 2009". Só se for no discurso, já que a lei e a punição estão há muito demasiado danificadas para serem levadas a sério. E basta atentar que os mecanismos de prevenção não funcionem ou não continuassem iguais os sinais e os sintomas do último Agosto: a Polícia Judiciária está a investigar dois assaltos a dependências bancárias ocorridos hoje em Lourel e Mem Martins, no concelho de Sintra, havendo a confirmação de que o primeiro decorreu sob a utilização de armas.
lkj
8. Não sei como se pode considerar simplisticamente ter Cavaco Silva feito ontem a sua declaração de voto vencido na polémica política que manteve com a Assembleia da República e, em consequência, com o Governo. Do meu ponto de vista, na prática a coisa está invertida: formalmente a polémica mantida com o Parlamento foi na substância com o Governo, uma vez que le gouvernement c'est Lui, Sócrates assim como o Parlamento é ele, Sócrates. Parece-me aberrante que São José Almeida escreva que: «O Presidente decidiu afrontar a maioria parlamentar, liderada pelo PS e por José Sócrates, ao tentar impor politicamente, usando o seu poder de veto, a alteração do Estatuto dos Açores». E que Perdeu. E como é normal no figurino constitucional português, promulgou a lei. Parece aberrante ler que quem afronta é o PR, quando há só um mestre useiro e vezeiro de todas as afrontas.

5 comentários:

Bruna Vollet disse...

UAU! gostei do texto e da análise


obrigada pela visita .D

Tiago R Cardoso disse...

Um Feliz Ano Novo e um tradicional mas sentido, que conseguias tudo o que desejas.

Tiago R Cardoso disse...

Errata :

Um Feliz Ano Novo e um tradicional mas sentido, que conseguias tudo o que desejas ensinar.

Daniel Santos disse...

Que 2009 te traga a calma e a alegria que desejas.

Anónimo disse...

felizmente que daqui a 100 ou 200 anos já nao estarás cá....judeu-nazi!!!!!