sábado, dezembro 13, 2008

UM CADÁVER CHAMADO ORÇAMENTO


As teimosias do Governo, todas elas, serão lidas, à luz da história,
como proverbial imbecilidade. Todas as alterações que se justificavam ao OE 2009,
que as oposições em boa hora sugeriam, nem uma foi aceite,
e agora, sobre o cadáver morno do mesmo OE,
sucessivas alterações anteriormente propostas vão sendo introduzidas,
sendo que na prática, todos os bloqueios selectivos, todas dificuldades de acção,
estarão também no terreno, à imagem do que tem acontecido noutras áreas:
Autarquias semiparalizadas, Universidades em gritantes dificuldades,
desemprego galopante, subsídios de desemprego sujeitos a cortes mal explicados,
ao longo de todo o ano da graça de 2008, esmagando esmagados,
promessa de obras em Escolas, por um lado, e violência desmedida
e sem retorno sobre as pessoas concretas dos professores, por outro.
Distribuem-se e recolhem-se Magalhães à velocidade
com que se infecta de crispação e doentio uma sociedade pacata.
lkj
Ou no mundo da lua ou no espaço sideral das suas fantasias,
o governo precisa dos portugueses para lhe dar prazer e para aparecer ele
como o salvador da pátria ao ralenti, só como o alvo de todos os desejos falhos
e só ele como o incontestável centro de decisões tardias.

1 comentário:

Anónimo disse...

O Governo já começou tomar medidas efectivas contra a crise: alguém vai ter de pagar os 200 milhões de euritos que o Estado pretende oferecer aos bancos, coitadinhos, eles que sao tão pobrezinhos e tiveram um decréscimo tao acentuado dos seus lucros!!!!É a lógica do Robin Hood mas invertida!!! Que ridículo!
A maior parte dos profissionais liberais nesta situação surrealista recebe as cartas das Finanças com datas anteriores à da recepção efectiva, e dispõe apenas de um ou dois dias para liquidar a multa ou reclamar, sendo que neste caso pode perder o direito ao« benefício» concedido pelo Art.78º do RGIT , ou seja a liquidação da coima pelo mínimo. É irónico e escandaloso, como depois de uma situação abusiva e de notória e óbvia má-fé do Governo, e do Fisco mascarada de estrita legalidade, como ainda nos dão o «benefício» que muito agradecemos claro, de pagar a «multa» com «desconto», ou seja redução. É o chamado pagar e calar, sendo que quem cala paga mais barato!! Viva a Democracia!É escandaloso, ultrajante, ridículo, censurável, desonesto e merece ser denunciado.
De qualquer forma, acrescento uma sugestão, para os contribuintes nesta situação. Paguem a multa pelo mínimo e depois apresentem reclamação no serviço de finanças competente da vossa área de residência.
Vamos lutar pelos nossos direitos, não podemos continuar a deixar que para além das injustiças laborais, da precariedade e segregação ainda nos estejam a ir aos bolsos e a inventar coimas e multas! A administração fiscal aguardou em silêncio e bem caladinha atrás da porta até ao decurso do prazo de pagamento, sem notificar qualquer contribuinte, sem dar possibilidade de informação uma vez que esta declaração não está junto ao sítio normal de entrega das declarações de IRS e IVA e nem sequer colocam qualquer aviso no site e-financas, para depois aplicar multas fiscais desproporcionais, irrazoáveis e injustas de dois anos seguidos! Já não basta não termos direito a subsidio de férias, de natal e não estarmos integrados laboralmente, e descontarmos balúrdios mensalmente, é este o Presente de natal envenenado que recebemos do nosso Estado!! Que vergonha de País!

Rita Encarnação