domingo, dezembro 14, 2008

LABIA MAIORA


Estou ancorado à porta da vida, neste quarto recém-nascido,
em que três rostos me contemplam. Cuido, ternura-nutro, colaboro em colo e calor,
insónia feliz noite após noite, serenos sorrisos. Amor.
Vêm dizer que não sou ninguém. Que a minha palavra não produz
e que as minhas lágrimas são vis. Resisto à ideia de que não sou ninguém
sempre que os farrapos em que labora a minha psique outrora forte mo dizem
ou mo dizem os escanhoadinhos sabonetes pimpões da porreirência-pá em vigor,
lágrimas nenhumas têm vileza se a Palavra que as encorpa é puro sémen.
lkj
Será verdade? Deve ser verdade. Não sou ninguém.
Talentos soterrados. Valor escondido. Infra-existir. Conter-me. Aguardar.
Tenho planos e projectos guardados como moedas raras.
Tenho uma alma e uma humanidade que se seguram e engolem em seco
por um outro tempo, menos cretino, menos pesado, menos negro.
O ambiente que surpreendo no Portugal presente é pegajoso: cola-se-me à alma
que fomos sacrificados a uma lógica negra, que fomos números num cálculo de estragos.
Pessoas remetidas ao nada fundem-se nele e congelam os sonhos.

4 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

momento de grande poesia, onde o poeta exagera a realidade construído mundos.

Marcos Santos disse...

Um belo dia, engenheiro formado e experiente, me vi carregando queijos. Duas bolsas de lona pesadas, com 48 quilos de cada lado do meu corpo. Eu era apenas uma alavanca carregadora de pesos. Uma canga ambulante. Mas no alto, no centro da canga, havia um cérebro. Uma cabeça que tinha consciência do que estava acontecendo. Essa cabeça me dizia todos os dias "devo carregar esse peso, mas devo fazê-lo com sabedoria, pois meu destino é seguir em frente".
Tudo na vida deve ser encarado como aprendizado, para tirarmos desse aprendizado, o maior proveito.
A vida devolve vida, para quem vida oferece. Você, meu amigo, é um exímio oferecedor de vida. Tenha certeza disso.

Parabéns!

KImdaMagna disse...

Não é o seu valor que está em causa.
O seu Eu luta com dois inimigos polos:
Por um lado você quer ser o inferino, ingente e originário, por outro quer o reconhecimento das pessoas.
Vai ser díficil essaa conjugação.

Qual o lado que vencerá?

xaxuaxo

antonio ganhão disse...

A vida é uma âncora traiçoeira, não te fies! Não és nada? Vindo de ti tenho dificuldade em acreditar...