quinta-feira, agosto 26, 2010

O EXPEDIENTE

Se Queiroz não tivesse destruído de forma tão sistemática e obstinada os vínculos de confiança e fiabilidade técnica com os jogadores, homens experientes para avaliar disparates e delírios assim como a mediocridade, não teria sido necessário o expediente subterrâneo e lateral com que neste momento a FPF o assa até alcançar o ponto carvão: moral e desportivamente "morto". Nem uma gorda indemnização justifica todos os sacrifícios e todas as degradações a que o inefável adjunto se está a submeter. Nunca imaginei que por uns tostões um homem abdicasse da coluna vertebral ou baixasse à condição de lesma. 

1 comentário:

Cristina Torrão disse...

E pensar que tínhamos equipa para ganhar à Espanha...

Espero que Setembro nos traga outros ventos!