sábado, agosto 21, 2010

UM PALHAÇO EM MAGUALDE

Alguém explique ao PM que o único factor de crise é a deriva despesista do PS-Governo, a falta de honestidade e de verdade em todos os parâmetros da administração e da execução públicas. O País de Sócrates não existe. No Circo da Política já cansa que o palhaço principal nunca constipe, apesar de tudo em torno soçobrar e engripar. Não se pode esperar que em Mangualde se passe a falar verdade sobre o caminho desastroso para o País em que se insiste a fim de mais rapidamente o sepultar. Nada de falar de dívida pública, nada de falar em privatizações na loja dos trezentos, euro e meio: só política rasteira, vitalina. Somente trauliteirada política. Exclusivamente caceteirada política, batendo em Passos Coelho como se este fosse Ferreira Leite e, portanto, fácil de eliminar com duas ou três marteladas de sátira e troça superficialóide como a dos Abrantes. Uma palavra sobre a tentação do PS para arrasar a Justiça pela excessiva intrusão, ou debilitar a Saúde e castrar a Educação, desactivando apressadamente os últimos baluartes do interior, coisa que é um péssimo serviço ao País? Nada. É uma pena que o PSD não chame ainda todos os nomes aos bois e não inscreva cabalmente no seu discurso a espessa camada de incompetência em decurso, de devorismo, de queda no abismo das contas outrora falsa e enganosamente «postas em ordem», de opressão dos simples em favor dos Amigos. O Orçamento de Estado 2011 precisa de ver da parte do PS, coisa que não verá, um desprendimento relativamente ao decréscimo da despesa de que se tem mostrado incapaz por todas as razões da irresponsabilidade e da glutonaria sobre o Aparelho de Estado.  

3 comentários:

floribundus disse...

1/2 ano de divida pública= ao ano anterior.
estamos 'fudidos' e continuamos a pagar

éf disse...

é o caminho para o socialismo. todos pobres, todos iguais.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.