domingo, junho 08, 2014

NEM COSTA TRAVESTIDO DE GUEIXA



Há uma euforia pubescente em torno de Costa que me parece manifestamente exagerada porque com laivos messiânicos e fascizantes: os líderes predestinados e providenciais são uma fase primitiva e ultrapassada da experiência europeia do Poder em diálogo de sedução e conquista com as Massas. Tal como me parece um perfeito exagero a apreciação negativa e pessimista dos resultados averbados pela Coligação PSD-CDS-PP, nas últimas Europeias. Aí, ninguém ganhou. Ninguém perdeu. Ninguém se afirmou. Ganhou a abstenção massiva, brutal. Por isso mesmo, os resultados da coligação são intransponíveis para um cenário de legislativas, muito mais a doer e muito mais frio. 

A sorte da liderança governamental Passos-Portas não se joga na disputa menor entre a impreparação de Seguro e o voluntarismo retórico de Costa. Joga-se, sim, e toda, na questão do crescimento do PIB, na queda do desemprego e no controlo consolidado do défice. O sucesso nestas frentes, aliás prestes a ser constatado no balanço do segundo trimestre e seguintes, equivale a um regresso do eleitorado arredio em refregas eleitorais menores, um eleitorado amorfo, mal informado, que não vota por sistema ou que vota por puro clubismo acrítico e ritual. E votará para exorcizar o que tenha a temer ou segundo o canto de sereia com que queira sucumbir, como em 2009. 

Sendo o socialismo uma obsolescência ideológica e um vazio absoluto político de soluções credíveis na Europa, mas não só, unicamente um eleitorado doente, decadente e imbecilizado apostaria no escuro, em Seguro ou Costa. A maquilhagem das lideranças já não pode esconder a tragicidade das políticas seguidas até 2011. Não há volta a dar. Nem Seguro nem Costa. Nem Costa travestido de Gueixa.

5 comentários:

Daniel Santos disse...

Ficamos com um problema: o que será melhor, votar no escuro ou votar no sistema?
Pessoalmente, em nenhum deles.

Anónimo disse...

fascista, não; social-fascista sim

Anónimo disse...

Ainda tens cuspo para soprar no ar seu camelo !

José Domingos disse...

Os orgãos de formatação, cá do burgo, também apelidados de "jornalistas", moços de recados, paus mandados, moços de fretes, and so on, elegeram o tio costa, o novo salvador da pátria. Na imbecilidade das tv´s nacionais, só se cantam hossanas a este incenssado.
Já vi este filme, em França, com os resultados conhecidos, embora com a censura, das redacções e dos comites de defesa da constituição. Temos, então, uma quarta bancarota á vista, com a preciosa ajuda, deste povo labrego, na ilusão de comer umas migalhitas, que possam, talvez, cair da mesa do orçamento.Os caminhos para o socialismo, tem destas coisas.

Anónimo disse...

Oh, palavrossaurus, acumular adjectivos para epater le bourgeouis não disfarça a falta de ideias, o preconceito e a ignorância. Se lhe disseram que sabia escrever, enganaram-no. Se acreditou quando lhe elogiaram a inteligência e a lucidez, desengane-se, estavam a gozar consigo.