segunda-feira, outubro 09, 2006

VELHA AMAZONA NA SELVA-URBE












Que fibra essa,
que vibração tão viva há nesse teu espírito
de velha amazona na selva-urbe!
Certo é que monopolizas o discurso,
quando te interrogo.
Quando te interrogo, logo respondes vivaz
e és incisiva,
e és clara
e és definida
e és consciente e experiente da vida
e da valsa das aparências que te recusas a dançar!
Repito: és de uma vivacidade extraordinária,
velha jovem mulher guerreira,
e efectivamente tens fibra e sou eu que,
tendo semeado as perguntas que te excitaram,
ouço subscrevente o que me dizes da ministra a ignorância,
a brutalidade, o sacrifício que é imposto a cada docente,
dizes-me dela que o que quer é mentir nos resultados para a paternidade ver,
que o que quer é a estatística da mentira,
a substância da verdade é o que não quer,
à custa da saúde dos professores.
Porque a verdade é que num reformar brutal e brusco
a ministra incompetente para ministra, como dizes e então eu me ouço,
nos sobrecarrega,
nos expurga da balda do tempo, deixando-nos sem qualquer espaço
para exercer o tempo,
a verdade é que ela nos mina,
a verdade é que ela nos mói,
magoa e desmobiliza da própria verdade que o terreno nos anuncia.

Gosto de te ouvir, a ti, espertíssima e velha amazona na selva urbe mulher,
tal como a outras como tu ouvi já, no limiar da loucura,
lúcidas até ao abismo-náusea do irracional desespero que no entanto não transcorres, equilibradíssima.

Pertences a uma casta de gente guerreira e forte, quase extinta,
como não sou nem desejo ser, nem assim guerreiro nem assim quase extinto,
tu, que desfias os teus argumentos ponteaguda e afiada,
tu, que derramas razões inteiras sem a gaguez duvidosa,
e é na ponta da língua que as dizes e dize-las a doer,
e tens um carácter de ferro admirável
como sei que não desejo ter.

Quero por vezes lulaificar-me para, mesmo nas minhas predações em relâmpago,
relativizar-me e ao que digo e ao que entendo como certo
porque a verdade é quadrimensional.

Só por isso é que não quero ser como tu e molusco-me,
lesmaifico-me por sobre a rocha firme quadrimensional
onde só então sou firme.

Joaquim Santos

5 comentários:

Ergotelina disse...

Não esteja receoso de Amazonas...

:)

as fotos que você pediu
MASSACRE IN GAZA

Å®t_Øf_£övë disse...

Joshua,
Palavras fortes e determinadas estas que aqui partilhas connosco.
Abraço.

FreeCyprus disse...

>>
hey my Portugese brother...wish I could understand this post! Anyway, thanks for visiting my blog in the past.

ETL...as always, nice to see you.

Luna disse...

Muito forte gostei muito
beijos

Susan Jones disse...

fantastic photo.