segunda-feira, agosto 22, 2011

O ENDURECIMENTO FLÁCIDO

Estou desiludido com o movimento Geração à Rasca e não porque esperasse mais constância ou a natural radicalização ordeira. Estou desiludido porque demasiados pólos de protesto equivale a nenhum protesto. Não haverá um objectivo bem concreto por que se possa lutar, já, sem que a coisa resvale para o folclórico e o mero desabafo impotente? Digam-me, vocês, como eu da Geração Enrascada, para além dos efeitos de esse endurecimento recente das medidas de austeridade, para além dos cortes nos apoios sociais e da falta de oportunidade de participar criativamente nas decisões que se vão tomando porque-sim, por que coisa lutar e o que se espera obter com a nova manifestação do dia 15 de Outubro? Só para começo de conversa, sugiro a lambreta como forma de locomoção de todos os ministérios e a submissão de todos os ministros a um mês com quatrocentos euros. Sugiro também que o cancro da vaidade não tome conta de suas excelências ministros e o cumprimento das promessas eleitorais do Primeiro-Ministro seja, finalmente, um facto refrescante. Pode começar por desenterrar a facada dada nas costas dos professores contratados, de Caifás para Anás, há mais de uma década, dócil lastro paciente a todos os experimentalismos e a todas as desonestidades políticas como a patética ADD.

1 comentário:

Miguel disse...

Vale a pena ler:
http://juniordeleca.blogspot.com/2011/08/slavoj-zizek-assaltantes-de-lojinhas-do.html