sexta-feira, janeiro 10, 2014

PALAVRA ARDENDO NA PRADARIA SUBJECTIVA

Não é que o Daniel Oliveira pense mal este assunto "Eusébio no Panteão". Pelo contrário. Chego mesmo a concordar com ele em muitos pontos. Sucede que os nossos tempos são mesmo feitos disto que ele acaba por questionar com a ironia e o distanciamento possíveis: imediatismo e mediatismo. Vivemos numa democracia mediática e imediata em perpétuo e vertiginoso movimento, a qual, para o bem e para o mal, encontrou meios de expressão cada vez com mais impacto e eficácia: as Redes Sociais, a Palavra ardendo na pradaria da subjectividade e consumindo-se toda numa subjectividade prevalecente: por exemplo, contra Só-Crash, contra Só-Ares, o que prevalece é a rejeição e mesmo o asco. Os que pensam Portugal — o dynamismo da nossa identidade, a syncronia dos nossos valores, destino, moções, os que criticam e julgam em permanência a nossa vida pública politica e culturalmente — em vão procurarão ficar a salvo tirando o corpo deste vórtex, deste tornado subjectivista e judicativista em tempo real, escapando ao agora na Grande Ágora Facebookiana Portuguesa. Isto para dizer que continua válida a ideia de Eusébio no Panteão e se isso nos não passou pela cabeça relativamente a outros, a culpa não é de ninguém. Nada a fazer se entre a nossa galeria de deuses, heróis e mortos, nem todos nos arrebataram, nos uniram e encheram de orgulho sob uma clara unanimidade. Já os romanos idolatravam os seus melhores gladiadores até à loucura como se fossem semi-deuses: eram as suas estrelas e aquele o seu desporto de paixão. Os pachecos nunca entenderão isto.

Sem comentários: