sábado, fevereiro 01, 2014

BOM DIA, MEU ANJO, BOM DIA, BICHANECA

Teatro - Luxembourg - Bobino - Music hall - Século XIX (França)
Enquanto cortava o bife,
Hussonnet informou-te de que trabalhava nos jornais de modas
e fabricava reclamos para o Arte Industrial.
 De Jacques Arnoux  disseste.
 Conhece-o?
 Sim! Não!... Isto é, vi-o, encontrei-o.
Perguntaste desprendidamente a Hussonnet se, às vezes, via a mulher dele.
 De vez em quando  replicou o boémio.
Tu não ousaste prosseguir as tuas perguntas;
este homem acabava de tomar um lugar imenso na tua vida;
pagaste a conta do almoço,
sem que houvesse da parte do outro qualquer protesto.
A simpatia era mútua; trocaram as moradas,
e Hussonnet convidou-te cordialmente a acompanhá-lo até à rua de Fleurus.

Encontraram-se no meio do jardim quando o empregado de Arnoux,
contendo a respiração, distorceu o rosto numa careta abominável
e se pôs a imitar o galo.
Então todos os galos que havia nos arredores lhe responderam,
com cocorocós prolongados.
 É um sinal  disse Hussonnet.
Pararam perto do teatro Bobino,
em frente de uma casa onde se entrava através de uma álea.
Na lucarna de umas águas-furtadas,
entre chagas e ervilhas de cheiro,
mostrou-se uma mulher jovem, de cabeça descoberta,
em espartilho, e apoiando os dois braços contra o rebordo da goteira.
 Bom dia, meu anjo, bom dia, bichaneca  disse Hussonnet, atirando-lhe beijos.
Ele abriu a cancela com um pontapé, e desapareceu.

Sem comentários: