quarta-feira, dezembro 19, 2012

GASPAR, SCHÄUBLE E MOSCOVICI

Perante uma intervenção externa, toda a independência é aparente e ilusória em caso de não obediência, isto é, de incumprimento. A impotência pode ser esperançosa, mas é, enquanto o for, impotente. Por isso mesmo é muito fácil escrever isto: «O que aconteceu foi ouvirmos no Parlamento, num primeiro momento, um ministro das Finanças esperançoso de ver aplicar a Portugal as condições mais favoráveis concedidas à Grécia, para, seguidamente, assistirmos ao recuo em toda a linha perante a admoestação dos seus congéneres alemão e francês, aconselhando-o a não se colar à Grécia. Em política, o que parece, é. E, neste episódio, a postura de independência, que o Governo tanto reivindica, sai muito turvada face às vozes de Schäuble e Moscovici.» DN, Editorial

Sem comentários: