quinta-feira, janeiro 24, 2013

JÁ SÓ LHE FALTA UM BUÇO PRONUNCIADO

Já chega de austeridade? Ainda podemos dar mais um bocadinho do osso, António. Já não temos dinheiro para tratar um dente. Nem dinheiro para dar a um pedinte. Nem dinheiro para mandar cantar um cego...  Mas temos pentelhos, cabelos, saliva e ossos, António. 

Enfim, se o Goldman ET Sachs António Borges fosse uma mulher do interior de Portugal, dessas perdidas numa aldeia desertificada e em processo de ruína inexorável, deserto e ruína graças ambos em grande parte às políticas de saque e devastação por hordas de aventureiros centrais e locais ligados aos Partidos do Sistema, ciclo após ciclo, já só lhe faltaria o buço pronunciado. 

Pêlos nas axilas já os tem, presume-se, bem como o gosto de cuscar por cima do Governo a mando do Governo, de alvitrar reformas e radicalidades TSU assustadoras ab nihilo, intervindo amiúde por uma economia de fome capaz de ombrear com a do sistema laboral chinês e tudo com o seu estrito sentido de merceeiro sofisticado, demasiado avançado para o nosso tempo. 

Borges tem tudo da mulher sólida e severa que envelheceu só na aldeia. Tudo menos, talvez, a devoção e a missinha.

Sem comentários: