terça-feira, dezembro 17, 2013

A UNS OLHOS GLAUCOS

De longe, graças à tua pouca altura, ainda parecias novo.
Mas os teus raros cabelos, brancos, os membros débeis
e, sobretudo, a palidez extraordinária do teu rosto,
acusavam um temperamento malbaratado.

Uma energia impiedosa repousava-te nos olhos glaucos,
mais frios do que olhos de vidro.
Tinhas as maçãs do rosto salientes,
e mãos com articulações nodosas.