sexta-feira, fevereiro 20, 2009

BdP: NOVA ENCENAÇÃO DE EXISTÊNCIA


A partir de certo ponto dos mais recentes eventos com base em fraudes bancárias, sendo o BPN apenas o mais escandaloso, deixámos de fazer confiança numa instituição laxista e desigual para com o cidadão endividado e devedor e para com outros agentes com bem maior poder e capacidade de lesar o sistema. O Banco de Portugal é como se não tivesse consistência e estivesse indelevelmente despido de credibilidade, tirando António Marta, que é um senhor até por aquilo que ousou admitir quanto a responsabilidades pessoais por défice de acção. Por isso, é sem qualquer sobressalto e sem qualquer crédito atribuído que doravante se pode acolher quaisquer notícias de acção, fiscalização e penalização dali promanadas: «O Banco de Portugal prepara-se para emitir um comunicado, nas próximas horas, onde poderá anunciar a inibição ou a suspensão dos actuais administradores do Banco Privado Português (BPP) que transitaram da anterior gestão liderada por João Rendeiro.» A montanha neste caso como em todos os outros arrisca-se sempre a parir um rato, um rato particular, a olhar para a árvore e a esquecer a floresta que agrupa e envolve muito e 'boa' gente do BCP, não apenas do BPP. E, rato a rato, acabaremos por concluir e compreender que nada se pode esperar que penalize verdadeira e consequentemente os Fortes.

2 comentários:

antonio ganhão disse...

O Banco de Portugal existe! Basta só imaginares quanto aquilo tudo nos custa em oredenados e morodomias... existe, existe!

Anónimo disse...

Os FORTES; OS GAMADORES PROTEGIDOS!
São ratos de cartola o resto, que somos nós todos e somos muitos e ESCRAVIZADOS sustentamo-los pois não temos aquilo que dá pelo nome vegetal maduro


Nós até os descobrimos até os conhecemos mas... se até os elegemos!!!