sábado, fevereiro 21, 2009

OBRAS COMO UM SEXO INTEMPESTIVO


Pois, nós percebemos, o 'pacote' está em andamento. Nada pior que a ressurreição da palavra 'pacote' para desingnar medidas avulsas em tempos de urgência, até porque enunciadas, novamente anunciadas, pelo aprediz de feiticeiro de pacotilha que nos calhou em rifa. 'Linhas de crédito' e 'pacote de medidas' estão aí como designações de acção ou do seu oposto numa legislatura bem conhecida pelas Caras-Tendas-de-Anunciar e igualmente pelos mui célebres Buffet-Gourmet-Caros-de-Acompanhar. Anúncios para quando? Longe, muito longe. Depois, muito depois. O anúncio como sementeira das dependências de sempre empreiteiro-económicas e sementeira de suspense. Porém, o edifício humano nas escolas está de rastos. Há rancor e ódio no rostos dos professores e lá terão as suas razões. A entrega dos OI fendeu completamente a Escola, escola a escola, há a dicotomização de pares e o estigma viscoso recíproco. A guerra aberta e as feridas pessoais levarão muito tempo a superar. O bem-estar e a atenuação de muitos problemas sociais que a escola portuguesa vinha operacionalizando em décadas de bom-senso e abnegação individual dos docentes está em perigo e é por isso que muitos alvitram que, com o agudizar da crise e a anedota laxista e garantística que é o Código de Processo Penal, o país regredirá em matéria de segurança e de criminalidade num grau gravíssimo que talvez nos irmane com o pior do Brasil, neste domínio: «O primeiro-ministro afirmou hoje que 55 escolas secundárias de todo o país começam a ser requalificadas entre Maio e Junho de 2009, altura em que deverá estar terminado já o processo dos concursos lançados pelo Governo. José Sócrates, que falava numa visita a uma escola secundária do concelho de Espinho que faz parte do projecto-piloto do programa Parque Escolar, adiantou que os concursos dessas 55 escolas estão já em andamento, pelo que em Maio ou Junho as obras estarão decurso. Estas escolas fazem parte do plano de antecipação de requalificação lançado pelo Governo no seu pacote de medidas aprovado para combater a crise.» Foi o Governo que elegeu como alvo dessorar a classe docente. Foi o Governo que sovou e armadilhou de absurdo a classe docente. As obras em equipamentos soam a subliminar mensagem cínica, quando os profissionais estão animicamente arrombados, percebem que lhes foi lançada uma armadilha que não visa coisa nenhuma a melhoria do que quer que seja no Ensino Público, mas somente do desgaste e a desvalorização de pessoas com um acesso privilegiado ao saber, à informação e à análise e relacionamento de um e outra.

4 comentários:

antonio ganhão disse...

Olha não publicaste isto num Magalhães, pois não? É que a foto inicial poderia trazer-te problemas com o MP...

Quanto ao resto, a habitual demogagia em curso de um PM que mais parece um vendedor de carros em segunda mão!

antonio ganhão disse...

Olha não publicaste isto num Magalhães, pois não? É que a foto inicial poderia trazer-te problemas com o MP...

Quanto ao resto, a habitual demogagia em curso de um PM que mais parece um vendedor de carros em segunda mão!

Daniel Santos disse...

mas olha que a duplicação feita no comentário anterior deve ter sido feito num "Magalhães".

Acho bem o investimento, não todo, mas este duplicar de anúncios sobre as mesmas coisas é demais.

Anónimo disse...

«Estas escolas fazem parte do plano de antecipação de requalificação lançado pelo Governo no seu pacote de medidas aprovado para combater a crise»
Surrealismo Absoluto, SA.
Então, quando há um ano, começou a ser elaborado o OE/2009, não havia escolas a carecer de obras de manutenção/requalificação/modernização?
Não tivesse surgido «a crise», no parque escolar estava tudo bem?
O circo pode portanto continuar.
JB