terça-feira, maio 31, 2011

TRETAS TRAI TROYKA

Estrebucha, espuma, histeriza e ameaça o grande desastroso José Sócrates. Depois de trair e trapacear Portugal, Zé Tretas trapaceia, trai e engana a troyka e poderá, ainda!, ludibriar as sondagens.

SEXO: SUPERAR O FACTOR TEMPO

«É estranho que exista tal discrepância entre macho e fêmea quanto ao tempo que demora a atingir-se o auge sexual e o alívio da tensão. Discutiremos esta questão mais pormenorizadamente quando encararmos o significado funcional dos vários tipos de comportamento sexual. Basta agora dizer que o macho é capaz de superar o factor tempo e provocar o orgasmo da fêmea, quer prolongando e intensificando a estimulação pré-copulatória de forma que ela já esteja muito excitada antes da introdução do pénis, quer utilizando tácticas auto-inibidoras durante a cópula de forma a atrasar o seu próprio orgasmo, quer continuando a copular imediatamente após a ejaculação e antes de perder a erecção, quer, ainda, descansando um pouco e copulando depois uma segunda vez. No último caso, o seu desejo sexual reduzido retardará automaticamente o orgasmo, de forma que a fêmea terá desta vez tempo suficiente para atingir o dela.» Desmond Morris, O Macaco Nu, 3.ª ed. 1967

POUCO LHE IMPORTA QUE O PAÍS SOBREVIVA

«O homem que nos levou direitinhos aos braços do FMI nem sequer poupa aqueles com quem tem compromissos assinados e atira-os para a arena da sua irresponsabilidade demagógica e eleitoralista. Vê-se que está de partida e que pouco lhe importa que o país lhe sobreviva. Sobreviverá. E V. Exa., como diria o zarolho Sartre, deixe de fazer peso. Deslize.» João Gonçalves

UMA BRAVATA BASBAQUE

Podem ter muitos defeitos, mas Pacheco Pereira e Helena Matos não andam muito longe da verdade quando previnem a Opinião Pública contra as armas derradeiras e processos derradeiros de assassinato de carácter da gente que gravita em torno do histérico e desesperado Primadonna, passíveis de uso contra Passos Coelho. Esta tem sido uma campanha de basbaques: o PS aponta o dedo ao PSD e fixa-se nele. Não seria coisa nova. Viu-se bem a conjugação de vozes e bocas contra Cavaco aquando das últimas presidenciais, com a história da Coelha. Fez-se uma barreira de fogo, apelando ao ódio e fazendo o eleitorado chafurdar na campanha presidencial mais suja de sempre. Esterilidade sobre esterilidade tal esforço maligno. A realidade é muito simples: para conservar o Poder e seguir cevando os seus, não há nada que o socratismo não faça, e os inveterados caluniadores do Corporações, por exemplo, graças ao seu SIS privativo, nunca tiveram mãos a medir contra quaisquer opositores, rebaixando quem viesse à rede. Tem sido uma tarefa gigantesca sua apoucar e reduzir ao ridículo quaisquer adversários políticos mais atrevidos. Difamar Passos Coelho poderá ser o passo seguinte. Entretanto, hesita-se no antro abrantino. O facto de a montanha de revelações vir a parir um rato pode jogar ainda mais contra o periclitante e desesperado Rato ele-mesmo. A matéria de facto que possa haver a revelar corre o risco rebentar pela culatra, na cara do descalabro em pessoa, na sua gula desmedida por prosseguir devastando Portugal e ofendendo os Portugueses. Alerta, portanto, e quem dera possamos dizer no final do próximo Domingo que Portugal está oficialmente desinfectado de incompetência, incúria, sanha persecutória e tirania.

QUANDO ALMERINDO ALMERENDA

«Almerindo Marques vai ser presidente da Opway, uma construtora do Grupo Espírito Santo. Ocorreram várias coisas antes de chegar. O Rui Costa resume, eu adapto:

1. Almerindo Marques, presidente da Estradas de Portugal, renunciou ao cargo em Março de 2011.

2. Dois meses depois, o Tribunal de Contas audita uma renegociação de dívida entre as Estradas de Portugal e as concessionárias das SCUT:
  • A dívida do Estado às concessionárias passou de 178 milhões para mais de 10.000 milhões de euros;
  • A Ascendi (liderada pela Mota-Engil e pelo Grupo Espírito Santo) garantiu mais 5400 milhões de euros em rendas, que não dependem do número de carros em circulação;
  • A Euroscut (liderada pela Ferrovia) garantiu mais 1186 milhões de euros em rendas;
  • Em 2011, o Estado recebe 250 milhões de euros em portagens e paga 650 milhões de euros de euros em rendas, com um prejuízo de 400 milhões de euros (62% do valor das rendas, 160% do valor das portagens)
Pior:
O Governo não só nomeou as comissões de negociação (ver aqui) , como criou condições para escapar ao controlo do Tribunal de Contas. Em 2006, a maioria socialista aprovou uma alteração aos poderes do tribunal que permite modificações a contratos antigos:

«Não estão sujeitos à fiscalização do Tribunal de Contas os contratos adicionais aos contratos visados», determina a Lei 48/2006, de 29 de Agosto.”
3. Almerindo Marques nega que as Estradas de Portugal tenham concluído um negócio ruinoso (0:53 no filme).

4. A 23 de Maio o Jornal de Negócios noticia que Almerindo Marques vai ser o próximo presidente da Opway, a construtora do grupo BES.

O que diz o PSD? Nada. O que diz o CDS? Nada. O que diz a blogosfera de Sócrates? Nada. O grupo Espírito Santo é a história secreta de Portugal.» Luís M. Jorge

«MORRE-ME A BOCA POR BEIJAR A TUA»

segunda-feira, maio 30, 2011

SONDAGENS COMO MONSTRUOSA INDUÇÃO

Longe de prestar um serviço cívico, este volume de sondagens esmagador só pode estar a violar a lei e a instaurar a mais completa confusão para não dizer enfartamento e desgaste na Opinião Pública. O PS tem passado o tempo de campanha não a explicar-se, a demonstrar-se e a justificar-se, mas a apontar o dedo ao PSD, escondendo-se assim de prestar contas e de denunciar o futuro negro por sua mão lavrado para quase todos os Portugueses. Os lixeiros dos media, certos bispos de psudo-catolicismo instalado e sem-sal, alguns fantoches da "cultura" amancebada com o Estado-PS, esse cardume de pécoras, enfim, todo um estado de coisas podre e instalado agarra-se com unhas e dentes a um feixe de privilégios como se não estivessem a bem curto prazo completamente perdidos. Dia cinco se perceberá se o País continuará a afundar-se no lodo amiguista, intriguista e interesseirista, que o PS fez vicejar como a mosca da fruta num pomar apodrecido, ou se qualquer coisa de muito novo será, finalmente, inaugurado. Isto, com a vérmina socialista-socratista nunca se sabe. O Inferno socratista tem muitos recursos, muitas vozes maviosas, muitas matronas lúbricas, lubrificadas à vista do primoroso photoshop sobre a carantona do Primadonna, mulheres viúvas na alma, por onde nenhum sentido crítico penetrou, mas só gargalos e vibradores de falsa propaganda. O Inferno socratista tem imensos subterfúgios, inimagináveis à nossa vã ingenuidade. Todo o cuidado é de menos.

PSICOPATA PRODUTOR DE SOLENES PETAS

«...Sim, para que serviu [a "experiência" de sócrates]? Lembremos vários líderes muitíssimo bem sucedidos, sem ser necessário ir lá para as bandas das Coreias, que estiveram no cargo o tempo suficiente para se encherem de "experiência": Jaruzelski, que de 1968 a 1992 'andou' pelos governos ganhando montes de experiência; ou Ceusescu, que de 1967 a 1989 iluminou a Roménia com a sua sabedoria (como sócrates...) e obteve maravilhas para o seu povo, com e sem Comecon; ou Enver Hoxha, que de 1945 a 1985 governou com tanta, tanta experiência que deixou um nobilíssimo legado ao seu país (e às 'áreas' circundantes)  ainda hoje apreciado e invejado pelo progressivo BE e pelo inapresentável-major. Existem variadíssimas diferenças entre os vários povos; os chilenos souberam conservar a maior parte do que obtiveram, sofrendo às mãos de Pinochet; os portugueses esbandalharam tudo o que 'herdaram', transformando-se em tontinhos-sociais depois de 1974. E agora, 37 anos depois e perante o inferno da irresponsabilidade, permitem-se a 'indecisão'  aparentemente preferindo narcotizar-se na fantasia e confiando a condução assassina do Estado a um psicopata produtor de solenes petas, ou de rudimentares mentiras e criador e aumentador de dívida. Este fanatismo partidário de Soares "estou aqui pelo PS que ajudei a fundar", face à cavalgadura-sócrates, é só revelador de total falta de honestidade e de ética. Ele, Soares, está-se cagando para Portugal.» Besta Imunda

PÁRIA

Aquele que desprezivamente desprezou fosse quem fosse, é agora desprezado e ostracizado por todos: «Seja como for, Sócrates é um pária; e um pária não faz os governos com maioria estável que o dr. Cavaco pede e exige. A seis dias das eleições, há muitas dúvidas mas uma única certeza: votar em Sócrates não é apenas um erro; é, coisa pior, uma inutilidade e um desperdício.» João Pereira Coutinho

PÉCORA

Como é que parte do meu povo se comporta com quem o compra como a pécora da política no seu pior? A política no seu pior é a dissimulação, o jeitinho, a insídia que favorece os amigos e fode com toda a gente nesse processo favoritista. Os 60 000 milhões de euros das parcerias público-privadas operacionalizadas pelo Estado-PS exemplificam-no asquerosamente. A estéril sanha anti-professores atesta-o do modo mais claro. A remoção do Jornal Nacional da TVI sublinha-o. Quem quer vote no Mal comporta-se como pécora do pior e mais reles na política. Acordai, portugueses! Vota em liberdade, português! Vota sempre! Tem razão Louçã quando recorda que o não-voto ou o voto em branco representam uma desistência da causa do bem comum assim como um voto errado representou esta bancarrota, esta lógica impune de omissões e ocultações em que o socratismo-socialismo foi horrendamente pródigo, no seu ímpeto amiguista fundamental. Para cada eleitorado que se comporta, neste planeta, como a pécora da política no seu pior, há demagogos, refinados sem-vergonha, sedutores falidos, perdulários completos, paradoxais promitentes de recompensas celestes e depois óbvios fornecedores de inferno para as multidões, mas não para os seus. Pode um País trocar a sua sorte pelo benefício obsceno de um grupo político? Temos de pôr cobro a seis anos socratistas-socialistas a devastar e a devorar Portugal. Parte do eleitorado português prepara-se para ser, sendo já na sua histeria aclamativa, a pécora de Sócrates. Que seja a ínfima dele.

domingo, maio 29, 2011

DA MEDIANIA TRIBAL E COMÁDRICA

«A circunstância de Lídia Jorge fascinar a mediania tribal e comádrica em vigor no pequenino mundo das letras portuguesas não passa, por isso mesmo, de um gesto de propaganda como qualquer outro em outras áreas. A sua carta (o "assunto") é como a ostra do poema de Ponge no sentido em que revela, na perfeição, o modo de ser daquilo que passa por literatura portuguesa contemporânea em versão "romance": tout un monde opiniâtrement clos. Um mundo no qual importam mais as entrevistas certas e as "estrelas"  em casos de patologia literata avançada e compulsiva, como Eduardo Pitta, a gastronomia e a vitivinicultura fazem parte da "pensão completa"  do que a qualidade intrínseca da obra. É o que há.» João Gonçalves

O EMBARAÇO DE SOARES

A fé que Soares nutre numa vitória eleitoral e nos méritos de José Sócrates é proporcional às vezes que o nomeia em discurso. Os portugueses compreendem o embaraço dado o manto nada diáfano de desgraça legado pela delinquência socratista à qual nenhuma experiência sedimentou humildade, capacidade de ouvir, pudor em depredar recursos, vergonha em devorar o erário, honestidade na palavra. Papelzinho deprimente de discursar na campanha a que se sujeita Soares e que o contamina dos frutos amargos e do mau trabalho socratista-socialista.

LIQUIDATÁRIOS DO ESTADO SOCIAL

O Memorado da Troyka, assinado por Sócrates sem informar os partidos que depois o subscreveram por causa de chamado interesse nacional, tem 23 alterações. Delas o Partido Socialista não fala, entretido que anda a pensar no PSD e a falar do PSD e a encontrar falhas e fífias alheias. Como poderia interessar ao PS esmiuçar honestamente fosse que medida fosse? Segundo o Correio da Manhã, os portugueses vão pagar mais pelos cuidados na Saúde já em Setembro e os cortes nos subsídios dos transportes terão de ser apresentados até Julho. Isto faz do Partido Socialista liderado pelo Primadonna o sorna liquidatário do Estado Social e a Campanha em decurso é o derradeiro engodo a ver se se escapa a responsabilidades pelo desenlace gizado pela Troyka.

PORTUGUÊS, SONDA-TE A TI MESMO!

Portugueses, não deixeis que vos sondem como quem violenta. Dizei não a quem vos pretende conduzir como gado. Tu, português, podes sondar-te a ti mesmo, comparar imediatamente o resultado com o produto quotidiano de sondagens sem fiabilidade, e ficar a perceber que outro galo cantará a cinco de Junho, se Deus for servido. Fá-lo AQUI.

A PROFUNDA MALÍCIA DO SOCRATISMO

«Eles acham que são os donos do país. Portugal é deles. O Estado pertence-lhes. Vale tudo. Estão acima da lei e das deontologias. Não conhecem ética em política, nem educação. Não sabem o que é o Estado de direito. São filhos directos de Maquiavel porque agem sempre como se os fins justificassem os meios. Sentem-se príncipes que desconhecem o Estado de direito porque são os donos absolutos do país. Usam a propaganda como ninguém. Alimentam-se dela. Sabem de cor como inventar cenários, como criar factos que desviem do essencial, como dar a parecer o que não é. Mentem por palavras, actos e omissões.... Omitem números se não lhes interessam, guardam-nos e escondem-nos para apresentar boas execuções orçamentais. Mudam critérios para contar desempregados, como quem apaga pessoas. As pessoas são números. Afirmam meias- verdades para não serem apanhados na totalidade da mentira e não parecerem mentir tanto quando são apanhados em flagrante. Levam, sem vergonha, figurantes para comícios eleitorais com bilhetes para oceanários, ou a troco de pequenas excursões, de uma viagem e de um lanche. Valem-se de tudo o que pode ser útil para o objectivo que desejam. Fica bem multiculturalismo? Pois fazem o gesto obsceno de arrebatar para imagem filmada de comício emigrantes paquistaneses ilegais, ou indianos, ou africanos. Levam-nos para exibir publicamente e mostrarem ao país as diferentes cores da pele e põem gente pobre e desprotegida a fazer o triste papel de figurantes televisivos e marcar o dia. Nem notam que são autores de um brutal acto de racismo que faz corar de vergonha qualquer pessoa digna. Exibem o despudor de usar serviços públicos na campanha como se fossem seus espaços privados e as pessoas que estão em aulas em serviços públicos são exibidas como troféus de campanha e interrogadas por meios de Comunicação Social para se mostrarem agradecidas, reconhecidas e obrigadas. Já não mostram obra feita, mostram pessoas que constrangem em serviços públicos como obra feita. Revelam pouca memória pois não se lembram das cenas célebres de filmagem de uma criança dando-lhes flores, tantas vezes vistas em outros tristes cenários. Põem mesmo a criança a dizer: "Obrigado pelos Magalhães". Que memórias nos traz aquela imagem e quantas vezes e em que circunstância já foram realizadas. Levantam sustos e medos contra quem se lhes opõe. Levaram o drama a muitas casas de portugueses quando distribuíram o que não tinham para ganhar as eleições, que ganharam, fazendo depois uma razia de pobreza com milhares de portugueses a perderem o emprego, muitos com mais de 50 anos e sem esperança de voltarem a trabalhar, com os dias contados para receberem o subsídio. A caminharem para o desespero, tiraram-lhes o futuro. Mas não desistem. É a sua sobrevivência política pessoal. Prometem mundos e fundos com as mãos-cheias de nada. E escondem, escamoteiam a realidade e a verdade, que são valores para eles secundários para tanta ambição. A verdade aparece como uma palavra erradicada da política. A verdade é subjectiva e adaptam-na aos seus interesses de campanha. Interessa, sim, a mensagem a "vender" cada dia aos portugueses. Escondem o fundamental. Até há dois dias, escondiam o acordo com a troika que nos vai condicionar o dia-a-dia e o futuro imediato. Vai condicionar-nos no dia a seguir às eleições. Evitaram discutir o assunto, fingiram que não existia. Asseguravam que agora, ocupados com as feiras e romarias e com votos, não tinham tempo para estudar o assunto. Não sabiam prazos, nem compromisso. Desconheciam que tinham de baixar a Taxa Social Única. Nem faziam ideia como iam financiar os compromissos. A crise não era com eles. É com as troikas, os alemães e o FMI. Eles estão calmos porque tratarão de nós quando a campanha passar. Era estranho que não quisessem discutir o que em nome de Portugal assinaram. Era estranho que não houvesse tradução oficial do documento assinado e entregue aos partidos da Oposição. Agora, descobre-se que o documento entregue aos partidos não é igual ao outro. Pequenos pormenores. Minudências. Umas pequenas alterações de prazos, da legislação laboral, por exemplo. Que importância tem isso?, são meros pormenores, dizem. Resultam talvez apenas da dificuldade em traduzir o inglês técnico, certamente. Importante para eles são os votos, são uns bombos na campanha para animar o povo, dirão. É só fazer de conta mais uns dias, uma curta semana e eles, os portugueses, verão, então, fora do ruído da campanha, o que os espera e confrontam-se com a realidade já sem retorno. Não são de Esquerda, nem socialistas, nem liberais, nem sociais-democratas, são, na feliz expressão do último líder socialista António Guterres, simplesmente "boys". Mas vai dar muito trabalho ao PSD e a Pedro Passos Coelho fazer regressar à política a nobreza de quem quer apenas que esta volte a ser um mero serviço do bem comum e que a esperança regresse a Portugal.» Zita Seabra

ELEIÇÕES-EXORCISMO

Compreendo bem Manuela Ferreira Leite. Só obstinados que olham o PS como a garantia de privilégios ignoram a crucialidade de expelir a suprema malignidade que algum dia se acoitou no poder em Portugal: uma pequena vitória sobre a Mentira Absoluta em consiste o socialismo-socratismo será ainda uma derrota. Vencer passa por obter muito mais. E é bom que esses que aclamam a Maldade Maior a Portugal chamada socratismo-socialismo saibam e percebam que o Primadonna não deveria ter tido o atrevimento de disputar estas eleições. Deveria, sim, enfrentar um tribunal especializado e isento por gestão danosa reincidente, contumaz, do Estado Português e por Mentir de tal modo, com tal intensidade e volume que lhe deveria ser atribuída a Taça de Campeão na matéria. Tão simples como isto. O seu caminho inexorável é o da prisão e não o do Parlamento. Tal criatura sinistra, manipuladora e traiçoeira da palavra dada ou do Programa Tecido, deveria encaminhar-se num País normal para o calabouço. Exorcizem a Besta, votando como nunca votaram nas vossas vidas. Só assim nos livraremos do Problema Demoníaco em que consiste esse grupelho de ávidos e sôfregos por Poder, incapazes de quaisquer laivos de desprendimento e sentido de serviço às pessoas, incrustados no sistema e a destruir Portugal: reparem na urdidura das sondagens. Vejam como não passam de engenharia de psicologia de massas gizada para esvaziar a Esquerda [BE e PCP] para concentrá-la no PS e esvaziar a Direita [CDS-PP] para concentrá-la no PSD, viciando o jogo e gerando uma chantagem psíquica sobre o eleitor. Ora, justo, justo, será que o PSD e o PP cresçam pela medida grande e que o PS seja sovado exemplarmente, raiando a higiénica extinção. 

sábado, maio 28, 2011

SAPO AO PEQUENO-ALMOÇO

Esta manhã, uma vez mais, ao pequeno-almoço, não queria acreditar no que os meus olhos liam no jornal viciado do costume, o JN: Siza Vieira e Souto Moura como apoiantes do Primadonna. Evidentemente que disse todos os palavrões do meu léxico e senti imenso nojo perante tal revelação. Como seria possível homens de trabalho da minha cidade, gente que tanto admiro, pudessem apoiar o estrume político, a malfeitoria contumaz em pessoa e assim colocar-se ao nível dos Lello, isto é, rente ao rasca mais rasteiro, do mais estéril Zero e da mais danosa Mama?! Afinal, parece que não é verdade. Siza e Souto não vão tomar sapo ao pequeno-almoço nem degustar sapos, como fez Figo. Menos mal. Mas para que mentem os mentecaptos da chamada campanha socialista-socratista?

DA FRAUDE, PELA FRAUDE E PARA A FRAUDE

«Do PS e do governo não me admiro, dado o historial que caracteriza gente que vive da fraude, pela fraude e para a fraude. Mas de um modo geral a classe jornalística e comentadores serviçais que vi desfilar na noite pelos diferentes canais eu acuso: Vermes rastejantes, estatuetas de cera moldada sem coluna vertebral, ventríloquos a quem emprestam a atremoçada voz e mãos cobardemente manipuladas e obedientes, tolhidas no cavar penoso de uso de caneta mais pesada que um sacho de cavar a terra. Porque ardilosamente quiseram subverter os contornos da questão do acordo oculto tentando cavar penosamente em argumentos que libertassem Sócrates. Eu resumo para essa gente sem rosto, sem corpo e sem alma: O governo escondeu criminosamente ao País durante três semanas um documento diferente daquele a que se tinham comprometido os partidos aderentes. Nem que uma única vírgula tivesse sido alterada essa divulgação era obrigatória e irrecusável. Banhem-se no único refúgio com dignidade para vos acolher. O lamaçal comum.» a. marques

COENTRÃO E O DESFALQUE MORAL

Velhacamente, o PS compra multidões. Em 2009, viu-se a fealdade de o Figo se associar ao devastador Primadonna, treinador sem resultados, só derrotas e só desfalques, com a reedição de mais derrotas para ofender Portugal. Agora Coentrão também serve de cenário e respaldo à miséria moral socratista-socialista. Foi a pedido. Pagar um favor. Mas não é o único. Mesmo o esperto Bispo Torgal deu o seu ar socialista com palavras que se inferem contra Passos Coelho e a pertinência de rever a Lei do Aborto. Já o Cardeal Patriarca dera, deu, dará, o seu silêncio a malefícios como essa Lei que abriu a porta à reincidência abortiva despudorada, criminosa, banalizadora da morte, inversora do papel acalentador da vida, da saúde demográfica de um País, obrigação dos poderes públicos. Frouxo o clero que temos, tirando o enorme D. Manuel Clemente, vai socialista e mal seguro, no seu profetismo morto e postulados mortiços dada a denúncia que não fazem. Futebolistas, padres, media, todos claudicam e falham e traem o Povo dia a dia, ao deixar sem crítica ou censura um acabado tirano, um manipulador sôfrego, um videirinho, um sujeito comprovadamente nefasto, maligno, nocivo, daninho, que aparece, com toda a lata do Universo, a sorrir junto aos coentrões e figos desta vida, coisas que depois, vai-se a ver, e tiveram um preço alto qualquer a pagar pelo hiperchulado contribuinte.

sexta-feira, maio 27, 2011

"PEQUENAS" FORNICAÇÕES

Traições, mentiras, enganos, facadas. Afinal, o Memorandum da troika tem duas versões. O FMI, a Comissão Europeia e o BCE querem que Portugal acelere alterações às regras por despedimento e fizeram alterações ao texto original. O Governo de ultradireita dos socialistas assinou. Outra versão mais light assinaram os dois partidos chamados de Direita, PSD e PP. Não se poderia esperar diverso. Longa é a história das traições socialistas, das mentiras socratistas-socialistas, da falsidade socratista-socialista, das trapalhadas socratistas-socialistas, das ambivalências socratistas-socialistas, das confusões socratistas-socialistas.

UM COELHINHO SOB ESTERÓIDES

«Eu sei que as sondagens ainda aconselham uma certa prudência. Mas há sinais no ar, um burburinho de fim de festa que é música para os meus ouvidos. São os paquistaneses recrutados à pressa no Martim Moniz para encher recintos no Alentejo. São os protestos de populares que se ouvem à passagem da comitiva socialista. São as fugas de informação oriundas das instituições do Estado (caso dos mails da Casa da Moeda). E são sobretudo os barões do PS, como António Costa ou Francisco Assis, a lançar pontes para o futuro em declarações televisivas, assumindo publicamente que afinal há vida para além de Sócrates. Mais do que isso: se tantos jornalistas não estivessem ainda presos ao mito de José Sócrates, o grande comunicador, há muito que o país inteiro teria percebido que tudo aquilo que ele neste momento tem para dizer cabe numa página A4. Ninguém aguenta 15 dias de campanha eleitoral e dezenas e dezenas de discursos a repetir incessantemente "o PSD vai destruir o Estado social, o PSD vai destruir o Estado social". Sobretudo quando todos os portugueses sabem que o PS assinou o mesmo memorando que os terríveis sociais-democratas. Sócrates está a ficar sem pilhas e a pouca energia que lhe resta tem sido gasta a bater numa tecla que já está perra de tanto uso. O camião da reciclagem passa daqui a dez dias. Adeus, coelhinho.» João Manuel Tavares

«LARGA O HOMEM, PÁ!»

O JN assassinou o vídeo da repressão intimidatória em Faro onde se via o apagamento de um homem indignado, a rasura conveniente de um homem sufocado, encurralado, ali a sós com os melgas à paisana. Ui, tão zelosos da puta, a democracia e dos seus filhos extremosos. De repente, a merda cínica dos partidos todos [BE, PP, PCP e PSD] verteu-se toda pelo mesmo num mesmo corifeu condenar da contra-manif, bem à distância, como se fosse digno o pé no pescoço de um homem ou dois que gritam contra a purulenta narrativa socratista. O mais estranho zelo anda por todo o lado, protegendo os que foderam tudo para que nenhuma verdade e nenhuma evidência lhes amolgue o Cenário Chulo montado. Os partidos são absolutamente zelosos consigo mesmos, enquanto assassinam o Presente e o Futuro de Portugal. A repressão do Partidos Único e Trauliteiríssimo PS de ASS ao léu, cheio de cio e cheio de escarro, é extremamente zelosa e eficaz. Os paus mandados que lhe apagam os vestígios nojentos de mordaça e cumprimento da lei do mais forte, também são. Eis o JN. Não se pode estranhar o servicinho nem o serviçalismo.

PS E O SEU EXÉRCITO DE CACETEIROS

Há por aí um partido que assimilou todos os tiques do autoritarismo e da repressão, sendo que os casos multiplicam-se: esta semana já foram por demais. Onde estiver e intolerância, a incapacidade de ser apupado, de ser contrariado, aí estará o fungo, o cadáver, o lixo. O lixo é o socratismo-socialismo, a coisa mais tóxica, perdulária, totalitária, manipuladora, imoral e cancerígena que Portugal alguma vez já viu. Eles vivem [e medram com o suor e o 'sangue' de quase todos], mas não deixam viver. Tinha de se fazer a detençãozinha e condicionar o grito, e amordaçar a indignação, e sufocar o nosso ultraje. Temo-los visto a dar pau, a violentar o homem da taça ao Mega-Mentiroso, o Vader do Fraque, que satiraza a cobrança das Mega-Facturas-PS e agora eis a vergonheira-PS do dia. Que suores frios e que terrores lhes varrem os cornos para perseguirem e reprimirem, com estranho ardor sangrento, cidadãos livres, livres protestantes, nos seus actos espontâneos ou não espontâneos?! Fode-lhes a encenação, é isso?!

quinta-feira, maio 26, 2011

A CASSETE DO GRANDE ENGASGADO

«Vimos Paulo Portas no seu extravagante número de candidato a primeiro-ministro. Vimos Francisco Louçã esforçando-se desesperadamente para conter a deriva de eleitores para o PS, em nome "do mal, o menos". Vimos Pedro Passos Coelho a tentar constituir-se como a única garantia, simultaneamente, de mudança e de maioria. Vimos Jerónimo de Sousa tornar tão afável como entediante a mensagem comunista. Vimos José Sócrates arrebatar aos comunistas o prémio da melhor cassete da campanha, com a qual acabou por se engasgar no debate com o líder do PSD.» Manuel Maria Carrilho

quarta-feira, maio 25, 2011

VER PEIXES. FAZER DE NÓS FOCAS

E ninguém diz nada? Ó plumitivos, vocês bloggers opacos e implumes, não dizeis nada? E se de repente o PS [levado pelas suas ideias 'modernistas', armadilhas e engodos, sôfregos para ganhar eleições, intoxicando o ambiente com sondagens e peixeiradas] desencantar brindes sexuais, garrafas de licor gratuitas, perdão de dívidas gratuito, frigoríficos gratuitos, luvas, bonés e chapéus, sessões intensivas de gastronomia gratuitas obviamente tuteladas pelo estômago-Pitta, notas de cem euros gratuitas atiradas ao ar para quem as agarrar gratuitamente, ainda assim ninguém dirá nada?! Ninguém diz nada. Vogam por aí umas bestas cujo assunto é denegrir as Oposições como se tivessem governado ou então têm como único fito imbecil tresler notícias, tresler declarações, distorcendo qualquer coisa emitida em boa fé e segundo as melhores intenções pelas Oposições. São bestas invejosas e mesquinhas. Estão ali para pactuar com as obras de Hitler, aliás Sadam, aliás Drácula. Sim. Drácula. Sim, Sadam, e sim, Hitler. Esses que se empertigam por causa de hipérboles, mas não se empertigam por causa das malfeitorias objectivas perpetradas pelo Primadonna e a sua batota, e o seu desdizer-se, e o seu atropelo da palavra de honra, da palavra e da honra nula, atropelo de qualquer coisa e qualquer um apenas para seguir tudo como dantes.

PROCESSOS TRAFULHAS

Nunca me deixo abalar pelas sondagens. Não me desanimam mesmo que não me agradem. Anima-me, sim, a oportunidade de se levar a efeito a absoluta justiça de culpar quem deve ser culpado pela bancarrota, pela crise e pelo desemprego: um dos mais calamitosos primeiros-ministros da nossa história, o menos culto, péssimo gestor, dedicado somente a viajar, suspirar e servir o PS acima e para além de Portugal, desenhando o espectro de partido único que corrompe e perverte toda a sociedade portuguesa, perseguindo qualquer opositor e instaurando a ditadura de um só incompetente. Não se pode esquecer que houve um tempo em que a maior e mais eficaz opositora de Sócrates era Manuela Moura Guedes e todos sabemos o crime em que consistiu a supressão da sua voz verdadeiramente crítica do Vício despesista, do desgoverno, da propaganda como forma de vida ou de morte, sementeira de dependentes acríticos e gratos pelas migalhas do Partido-Estado-PS. Por isso mesmo, a derrota de Sócrates será, precisamente por isso, a derrota da indecência na governação e a rejeição daquilo que de mais reles alguma vez se viu em politica e na vida pública. Na rua, nos cafés, seja onde for, muitos portugueses mostram-se desgastados e fulminam de insultos a rasteira, caluniadora, mentirosa, trafulha e pulha forma de um Partido mentir descaradamente ao Povo. Derrotar Sócrates será o triunfo sobre uma máfia criada em dois mandatos para enriquecer impunemente os amigos com os escassos recursos do Estado. O polvo que se criou no Estado, empresas públicas e PPP foi levado ao limite do limite pelo statu quo socratista. Ponhamos-lhe fim.

terça-feira, maio 24, 2011

SOS CONTRA O FRANCHÃO SÓCRATES

Já só faltava o fado do coitadinho: o Primadonna encontrou mais uma nova nota musical plangente, aquela com que se coloca a solo, sempre a solo, sob o cutelo cego de um suposto ataque pessoal, coitado. Como se asnas decisões e obtusas obstinações não chegassem e sobrassem para sentenciar seis anos de esbanjamento em propaganda e acumulação de detritos rapaces. O franchão José Sócrates não se enxerga e considera toda a gente tão parva quanto cega. Ousar expor, com um sorriso-esgar ofensivo, a sua carantonha abominável e desastrosa corresponde a uma campanha pessoal contra cada português trabalhador, corolário, aliás, de seis anos de ostensiva delapidação do erário e de traição aos Portugueses em favor da voracidade clientelar socialista sob o grande desígnio, antes de tudo, devorista do PS. Está na hora de governar Portugal com Amor aos Portugueses. Está na hora de servir os Portugueses com Amor e verdadeiro espírito de entrega e sacrifício por eles. A Vaidade de um só animal politiqueiro deitou-nos todos a perder. Se Passos Coelho for para Portugal metade do que Villas-Boas tem sido para o FC Porto, é quanto baste.

CASAMENTEIROS DA NITREIRA

«Lobo Xavier tem demasiadas causas de luxo nas suas mãos bem tratadas e macias sendo que, habituado como está a ter clientes ou 'constituintes' safados que se safam ao fisco, já tudo lhe deve parecer 'bom' para dar uma pinocada; também estes 'fatos leves e de estival alpaca' sob a forma de honorários, são o que lhe permite opinar  às 5.ªs  com tranquilidade. Santana Lopes, para 'casamentos', também tem revelado um certo estômago  embora se tenha tentado redimir no púlpito de um comício de Passos Coelho. É só pensar nos pescoços-de-peru, engelhados e côr-de-laranja, das 'cinhas e afins' e dos respectivos externos picados de sardas e queratose-senil, provocados pelo Guincho-excessivo e mil solários em Novembro. Pobre Santana. De resto, os 'números de ouro' são apenas aquilo que levou a Grécia directa para a nitreira: uma 'metodologia' calabresa na contabilidade. Portugal é tímido aprendiz mas empenhado e tem atingido, com sócrates, bons resultados.» Besta Imunda

POR FALAR EM ATAQUES PESSOAIS


Os únicos ataques pessoais admissíveis na campanha são os do PS. Comentários jocosos sobre o PS, larachas, chistes, sátiras, paródias ao PS, pura e simplesmente não serão tolerados. Mangualde sirva de lição. Quem se mete com o PS, leva. E leva literalmente!

LONDRES DIMINUTIVA

Portugal aumentativo?: «O famoso Metro de Londres é insuportável quando as temperaturas exteriores são superiores a 22-23º. O ar condicionado custa muito dinheiro... Os preços dos transportes são proibitivos. Os preços de habitação quase que deitam por terra o excedente relativamente ao ordenado português. Londres é uma cidade fantástica. Com espaços verdes em cada canto, onde ainda se vêem esquilos, raposas, pelicanos, entre outros. Só me chateiam os pombos, que estou convencido que me seguiram desde Lisboa. Nem tudo é bom lá fora. Mas a verdade é que se nós aprendêssemos algumas coisas com eles, este país seria dos melhores do mundo para habitar. Ah! Já me esquecia! E a gastronomia de cá??» Nuno Oliveira

GRUNHO BULLYING POLÍTICO PS

Ontem, o cidadão Orlando Cruz queria entregar uma singela «taça de protesto» a Sócrates e foi agredido por militantes do PS, em Mangualde. Destruíram-lhe o megafone e feriram-no. Foi um episódio de violência gratuita à passagem da caravana do Partido Socialista: o cidadão que esperava o Primadonna viu-se vítima de bullying político por parte de um par de ciosos militantes socialistas, tendo de ir ao Hospital para receber tratamento. E era só para entregar uma tacinha a Sócrates, prémio por se ter tornado o político mais mentiroso de sempre, digno do Guiness. Isto começam a ser casos a mais. Estará no gene socratista-socialista a agressão preventiva, nervosa e mesquinha?! É que os exemplos abundam: desde calar Manuela Moura Guedes [único caso nos media amansados que denunciava a doer todos os sinais pré-bancarrota, desonestidade e gestão danosa do erário por parte do socratismo], passando por processar outros jornalistas, por ter esbirros especializados que agridem quem se lhes oponha com a mais pacífica sátira, como o elemento do blogue 31 da Armada, o ‘Vader do fraque’, que foi pisado e esbofeteado quando José Sócrates saía de uma iniciativa?! Poderíamos viver sem a bruteza, a violência vil e a gritaria histérica do socratismo ou inspirada por ele?! Podíamos. Mas não era a mesma coisa. Porque é também para isso que servem, oxalá as eleições sirvam para desintoxicar Portugal dos perigosos espécimens desmesurados cujo o atrevimento é tal ao ponto de levar a cabo violências, com toda a impudência, diante das câmaras das TV. Fazemos uma pequena ideia das entorses e abusos, quando ninguém está a ver.

CU

Se este País não existisse, teria de ser inventado.

UMA LIBERTAÇÃO A PASSOS LARGOS

Contra a impostura resiliente do ávido Primadonna, abraçar e sentir as gentes para, dentro em breve, as servir em verdade, com transparência e honestidade. (Mais fotos aqui.)

VOO AF 447 — QUE CULPADOS?

Parece altamente precipitado que se atribua a responsabilidade pelo terrível acidente com o voo AF 447 Rio-Paris da Air France, em Junho de 2009, a um erro dos malogrados pilotos. O relatório preliminar de técnicos após a análise das caixas negras a que o diário Wall Street Journal teve acesso é apenas isso: preliminar. Veremos se a tentativa de ilibar negligências técnicas e falhas procedimentais a montante do voo, completamente fora do âmbito da cabine de voo, não fará dos pilotos indefesos, porque mortos, os mais convenientes bodes expiatórios.

DA SUPREMA INDECÊNCIA

«O que o PS fez em Évora, levando imigrantes indocumentados ao seu comício, já não é só aquela mentirinha eleitoral comum a todos os partidos. É uma indecência. Porque o que ali conta não é o truque generalizado, e que já nos engana pouco. O que ali houve foi abusar dos mais desapossados, os que nem têm a prova de que são cidadãos.» Ferreira Fernandes

segunda-feira, maio 23, 2011

CAMPANHA DEMONÍACA PS

A vitória de Passos Coelho no debate com o franchão José Sócrates tem sido soterrada, varrida e menoscabada pelos media esportulados pelo socialismo-socratismo. Não foi suposto, mas real e claro tal triunfo. E as falaciosas sondagens, se bem que desenhem agora qualquer coisa de esperançoso para uma mudança e um saudável recomeço, apenas exibem que combater a imbecilização pela propaganda socialista-socratista ou a imbecilidade a ela permeável, passiva, passenta ou impassível [porque a deveria rejeitar activamente, com as vísceras e a mais funda raiva patriótica] dá imenso trabalho. Percebe-se que o socratismo-socialismo coloca no terreno todas as cartas demoníacas que imaginar se possa e cada dia não cessa de nos chocar. Em Espanha, o PSOE foi higienizado pelo eleitorado. Por cá, só com um milagre da Nossa Senhora varreremos a peçonha mais embusteira que alguma vez se acoitou no Poder. Venha ele.

PROPAGANDA-GOEBBELS DO PS TOTALITÁRIO

«A nada disto que está exposto e escrito no 'post' as gentes lusas, que estão enquistadas 'na máquina', prestam atenção. Pinto-de-sousa e o PS-totalitário apostam fortemente no desespero dos 'empregados do regime' (fundações inúteis, institutos inventados à medida, administrações mais numerosas que os trabalhadores que administram, etc) para defesa do seu próprio emprego  não de Portugal. Todos os métodos parecem ser legítimos para a propaganda-goebbels socialista; o debate de 6.ª feira foi ganho por Passos, tendo sócrates sido esmagado e desmascarado, mas a domesticada e servil RTP resolveu refazer "a narrativa": no noticiário de Sábado das 20h passou 18 minutos de reportagem editada e maquilhada onde uma cuidadosa selecção e montagem dos momentos 'críticos' tentava fazer sócrates emergir como um repositório de bom senso  'apagando' o mais possível as partes gagas, a cassette, a aldrabice e os momentos de manifesto e indisfarçável desconforto e desorintação do Kerido-Líder. Apesar de tudo isto, o PS  por estratégia previamente ensaiada com os treinadores de mentira de sócrates (a 'agência' de publicidade contratada)  tenta agora desvalorizar o efeito do debate; são atiradas para o ar frases canalhas como "estalou o verniz" (a quem?!?) e arrebanhados imigrantes e velhas de preto com almoço à borla para emoldurar os comícios do PS. Com locução e apresentação em ingês-não-técnico. Se depois de todos estes truques e golpes baixos o PS e sócrates perderem, então darão entrada num hospital psiquiátrico  não sem antes 'limparem' devidamente os discos rígidos dos ministérios e queimarem 'papéis comprometedores', assim como suprimirem vestígios dos 'sites' de motards-rabetas visitados regularmente por assessores e chefias. Passarão vários dias nesse desespero.» Besta Imunda

UM ANIMAL QUE ANIMALIZA QUEM CALHAR

«Mais grave foi o recurso a figurantes arregimentados na comunidade imigrante. Muitos deles, sem direito a voto, passaram a ser a imagem de um partido que não olha a meios para transmitir uma aparência de mobilização. Os sacos azuis do lanche, pousados no chão, constituem uma imagem que há-de perseguir José Sócrates sempre que este se auto-intitular campeão do estado social. [...] Não faltarão fanáticos a defender que se trata de (mais) uma magistral jogada política de Sócrates. Em rigor, não é assim. Aceitar Passos como ministro implica uma contradição insuperável com o argumentário recente do PS. Das duas, uma. Ou Passos não é tão mau como Sócrates o pinta e tais argumentos são falsos, ou Passos é realmente mau e aceitá-lo no governo revela as intenções de um Sócrates capaz de tudo para se manter no poder. Em qualquer caso, o facto de não se declarar disponível para, na situação inversa, ser ministro de Passos Coelho certifica a arrogância de alguém que avalia as soluções tomando o seu interesse pessoal como único critério. Visto isto, a lenda do animal político não sobreviveu às primeiras situações em que foi realmente testada. Na verdade, o desempenho de Sócrates tem estado muito mais próximo do de um banal político. Preso numa teia de contradições e incompetência e incapaz de alterar um discurso estafado e repetitivo que, manifestamente, não está a funcionar.» Rui Rocha

BAMBI PERDE. BIMBO BANDALHO TEIMA

«Bambi perdeu em toda a linha. Ora, ao contrário da direita portuguesa nunca embirrei com Zapatero. Sei que o PSOE aprovou o casamento gay, como lhe competia, e que depois se dedicou a intervir nos costumes com algum exagero. Mas não consigo avaliar se corrompeu a economia, se tomou de assalto as estruturas intermédias do Estado, se manipulou a justiça ou se coarctou a liberdade de imprensa como fizeram os socialistas portugueses.» Luís M. Jorge

FC PORTO, PURO SANGUE E PURO CHARME

É este o nosso grandioso destino: superar o insuperado, ganhar mais do que prometa
o medo humano ou permita a cega detracção alheia, ir além da Taprobana, 
se a tanto nos ajudar Vontade Férrea, Talento e Arte.

PS, ESSE GRUPELHO SICILIANO

«Mas o pior foi mesmo o que se passou no comício de Évora de ontem, que foi exposto a todo o país pelas reportagens das várias televisões. A exemplo do que já é habitual neste PS, quando não existe capacidade local de mobilização, levaram centenas de pessoas de Lisboa para encher a praça Giraldo da bonita cidade alentejana. A vergonha desta vez é que levaram imensos estrangeiros, sob a promessa de um "farnel", proporcionando imagens lamentáveis para a dignidade destes estrangeiros, que certamente vieram para Portugal à procura de uma vida melhor e não para servir os intentos de um qualquer partido. Ninguém poderá ficar indiferente à exploração destas pessoas às mãos do PS. Nunca pensei que o PS pudesse descer tão baixo. Uma vergonha, até mesmo para os padrões baixíssimos que este PS tem exibido. Como é possível tanta gente no PS, com honrosas excepções, esteja calada perante o descalabro total deste PS: na governação desastrada dos últimos seis anos, mas também na forma como tem actuado perante o país, não raras vezes não se distinguindo de um grupo siciliano?» Nuno Gouveia

domingo, maio 22, 2011

69.º TROFÉU DO FC PORTO

Conquistada a nossa 16.ª da Taça de Portugal, coroando uma época inigualável, repleta de glória, o FC Porto necessita de conservar e blindar o grupo no seu cerne, vectores nucleares de vitória, forte psique e talento. Vencer o Vitória de Guimarães por 6-2, no Estádio Nacional, no Jamor, já é passado, ainda que tenha sido emocionante e espectacular pela profusão de golos, pelas boas defesas de Beto. Chegados aqui, será necessário que se olhe para a próxima época como fonte de novas superações, novas Índias, novos feitos gloriosos pelos quais cimentar a transcendência da inspiração no campo e a ambição insuperável, pois Ganhar é o nosso Destino.  Superar marcas, ultrapassar o número de troféus alheios, fazer história, época após época, desenhando, com pequenos nadas, a mitificação de um Clube e um Carisma admiráveis no Planeta, já que o mito é o nada que é tudo. Encontrámos sempre objectivos renovados e renovadas metas em cuja conquista toda a nação portista se congrega, coesa e perfeitamente focada. Chegados aqui, há que descansar para um regresso igualmente esfaimado por títulos, gerindo as questões menores como menores, ainda que tão delicadas, choque de egos, amuos, equívocos, ressentimentos. Unidade e humanismo no trato e no tacto, no misterioso lado interior e inexpugnável da nossa Muralha Fernandina, eis aquilo em que nenhum dos adversários se mostra perito. Viva o meu FC Porto! 

SÓCRATES E OS MALEFÍCIOS DA DÍVIDA

Evidentemente que se exulta pelo facto de Passos ter ganho clamorosamente o debate. Não é preciso que venha dizê-lo, sibilino, Miguel Sousa Tavares, dando uma no cravo e outra na ferradura, nem que, rendido, o declare o convertido João Marcelino. Para tal bastou que Sócrates mostrasse estar irredutível na sua cassete enfezada e estafada, manifestando o primarismo com que tem conspurcado os destinos de Portugal. Passos tem a seu favor a virgindade de principiante, mas a firmeza e ousadia de um D. João I, Mestre de Avis, sensível às gentes, defendendo a sustentabilidade do Estado Português de modo racional e límpido, conforme desejamos. Não se espera outra coisa que o limpar de amiguismos o cerne da Decisão Política e este alimentar-celebrar da nossa Esperança. Sócrates aos seus, ao do seu Partido e aos paquistaneses que lhe servem de claque, dará o que puder, lanches e bugigangas. Não pode comprar os que o observam e conhecem pelos frutos e colocam acima de qualquer outra coisa o amor a Portugal e o respeito pelos Portugueses, não a sigla enganadora. Durante o debate, ao Primadonna não foi suficiente, longe disso, passar o tempo ao ataque, cuspindo, rosnando, ladrando, investindo contra o moderador, descentrando de si e dos seus seis anos de devastação todo o ónus de responsabilidade disponível e por esclarecer. Teria sido demasiado simples interromper Passos, meter veneno, manter aquele sorriso insultuoso, deslavado, desdenhoso, cínico, como se nos não pesasse o seu desatino criminoso. Ele que significa 700 mil desempregados e uma dívida absolutamente calamitosa.

PASSOS OU O BENEFÍCIO DA DÁDIVA

«Assisti, com inusitado prazer, ao pavor disfarçado de desdém, estampado no rosto de quem se habituou, durante demasiado tempo, a mandar, directa ou por interposta gente, em todos nós. Até à asfixia, ao medo instalado, à infelicidade sem esperança de todo um povo. Ontem foi a sua vez de ter medo e de o demonstrar em esgares efeminados e circenses. Do outro lado, uma pessoa sóbria, digna, preparada, que o encostou às cordas. Nem os seus mais fiéis apaniguados foram capazes de negar, a quente, a sua derrota. Hoje, o assunto é já outro: do Expresso à Televisão em geral já se percebe a estratégia delineada, a de desvalorizar o debate, por não ter abordado temas essenciais. Quem terá sido o senhor (por assim dizer) que, com os seus baixos truques e malabarismos, tudo fez por isso?» Isabel

FUGIR DO PS PELAS PORTAS E PELAS JANELAS

«O maior espectáculo acapoulado de ilusionismo desesperado está apenas a começar. Na SIC passou à tarde um trabalho com mérito, em que o jornalista indagava sobre a bancada cheia de africanos e paquistaneses (não há engano, eram mesmo daqueles de turbante e tudo, aos pontapés, e nenhum deles me pareceu ser o Santos Silva disfarçado) que faziam o passeio inter-cidades para a festa do PS (um deles explicou exactamente as cidades por onde passavam). A bancada tinha acabado de ser esvaziada assim que filmaram, diluindo-se estrategicamente a massa cosmopolita entre os indígenas cor-de-rosa frente ao palco verde, que são os tais que vêm salvar Portugal do mundo que existe na cabeça do Sócrates e ao qual batem palmas. A moça africana, meio a medo, lá respondeu qualquer coisa do género "ai, ai, isso agora é que é", quando questionada sobre quem lhes pagou em géneros num saquinho e respondeu que foi o senhor que estava ali. Sim, é esse que está a pensar: o senhor Salvador! Percebeu-se perfeitamente que havia sido instruida a não piar, sinal mais do que evidente de que há algo para esconder, e organização. Falta saber de que rubrica do dinheiro do PS isto é pago para estas pessoas andarem por Algarve, Alentejo e Lisboa a fazer a ronda e a dizer repetidamente que o PS é muito bom para eles e para os filhos. Deve ser sinal que já não têm gente para fazer as festas, porque na verdade as pessoas do PS estão a fugir pelas portas e pelas janelas. Ainda bem que o Paquistão é longe, que a frota de camionetas de Cabeceiras é fracota e que o novo aeroporto ainda não está feito, porque senão estes tipos eram capazes de ter umas ideias para ganhar eleições.» Anónimo

NÃO SE NOTA NADA

Dir-se-ia que esse País repleto de engenheiros e de gestores ou é incrivelmente mau no que faz ou saiu para muito longe a gerir que não se sinta nem veja outra coisa daqui para fora ou então entrou para gerir a torneira de recursos que os cumulou de mil empregos entre os políticos mais prósperos da nossa pseudo-democracia. Faltam poetas, meus caros, e é óbvio que não se tem sentido nada de bom com esse quarto dos alunos que frequentam o ensino superior em Portugal a tirar Gestão e cursos na área da Engenharia. Nada. Se a felicidade não está aqui porque não pode estar, como não está nem o emprego nem o Desígnio, ela só pode estar no Médio-Oriente, na Austrália, na Europa do Norte e na América do Norte. Faltam Poetas. É óbvio.

UMA PALAVRA

Palavra prima
Uma palavra só, a crua palavra
Que quer dizer
Tudo
Anterior ao entendimento, palavra
k
Palavra viva
Palavra com temperatura, palavra
Que se produz
Muda
Feita de luz mais que de vento, palavra
k
Palavra dócil
Palavra d'agua pra qualquer moldura
Que se acomoda em balde, em verso, em mágoa
Qualquer feição de se manter palavra
k
Palavra minha
Matéria, minha criatura, palavra
Que me conduz
Mudo
E que me escreve desatento, palavra
k
Talvez à noite
Quase-palavra que um de nós murmura
Que ela mistura as letras que eu invento
Outras pronúncias do prazer, palavra
k
Palavra boa
Não de fazer literatura, palavra
Mas de habitar
Fundo
O coração do pensamento, palavra
k
Chico Buarque

O PUNJAB É SOCIALISTA

«Sentados nas bancadas montadas de propósito para o comício, deram nas vistas muitos cidadãos oriundos de outras paragens, olhados com desconfiança por habitantes da cidade alentejana. B. Singl, emigrante de Punjab, na Índia, estava entre o grupo dos sikhs. Num português atrapalhado, desfez parte do mistério. «Sócrates é muito boa pessoa, tratou de dar nacionalidade, tratou de tudo. Não moro aqui em Évora, viemos todos de Lisboa em cinco autocarros», explicou, sem conseguir dizer como foi que isso aconteceu ou quem o convidou. Para este imigrante indiano em Portugal desde 1995, «sem emprego há quase um ano e meio», o trabalho desempenhado pelo primeiro-ministro demissionário resume-se apenas a elogios, até porque a política social portuguesa permitiu-lhe continuar a sustentar a família que deixou para trás com o subsídio de desemprego que ainda continua a auferir. A seu lado, o amigo de turbante e barba longa, igualmente desempregado, acena com a cabeça em sinal de concordância.» TVI24

TURBO-FILHOS DA PUTA!

Ter de se ler esta denúncia sem estar armado, meu Deus! À falta de armas, valha-nos estar armados com a cultura do Bolhão e chamar-lhes de cabrões! para cima. E vou eu a pé para o trabalho e regresso a pé todos os meus dias de suor! Ó portugueses com vencimentos penhorados, encostados às cordas, teremos de assistir impávidos a obscenas injustiças como esta?!: «No discurso do comício de quinta-feira à noite em Elvas, Francisco Louçã referiu-se a um “relatório” de que “certamente nenhuma televisão ainda falou mas que é importantíssimo porque nos diz alguma coisa sobre o retrato do nosso país”. “Há 20 administradores das maiores empresas portuguesas que têm mil cargos de administração em empresas diferentes. Cada um deles tem, em média, 50 empregos”, denunciou. Segundo o coordenador do BE um deles tem 62 empregos e os outros não lhe ficam muito longe, acrescentando que “o ordenado mais importante que é pago a uma destas pessoas, é o que está à frente, no topo, é de dois milhões e meio de euros”. “Os outros receberão um pouco menos. São os homens mais poderosos de Portugal”, condenou. Louçã explicou, assim, que quando se pergunta “onde é que está a dívida, que problemas é que tem a economia, por que é que nos últimos anos cresceram os problemas, por que é que se fizeram construções desnecessárias, a resposta está aqui: “20 pessoas com mil cargos de administração, cruzando grupos diferentes, cruzando todo o mapa da economia”. “É um pequeno grupo de turbo-administradores que voam de empresa para empresa. Chamam a isto trabalho talvez, mas certamente a isto chama-se renda”, condenou.» Jornal de Negócios

«ANTES A BRUMA DO QUE O SINAPISMO»

EM LOUVOR E SIMPLIFICAÇÃO DE MÁRIO CESARINY DE VASCONCELOS
k
Por quê Mário?
Por quê Cesariny?
Por quê  ó meu Deus de Vasconcelos?
Não sabes que um polícia de costumes é o agente interino
da moral dos vitelos?
k
Alarga Mário a larga pássara do canto
e verás que à ilharga da imagem
o deus da vadiagem
fará de ti um santo.
k
Meu santo minha santa
Filomena tirada dos altares
quando a alma dos outros é pequena
melhor é ir a ares.
k
Areja Mário a pluma que sobeja
ao teu surrealismo
antes o ar de Londres que o de Beja
antes a bruma do que o sinapismo
k
Fornica meu poeta
sem a arnica
dos padrecas da terra.
Antes em Telavive que o tal estar
aqui
de cu pró ar
a ver quem nos enterra.
k
A fundo Mário se quiseres
baratinar os chuis.
Nem vinho já sabemos nem mulheres
mas os colhões de teres
os três olhos azuis.
l
José Carlos Ary dos Santos (1937-1984)