quarta-feira, setembro 25, 2013

É PRECISO AMAR O FUTURO

Beautiful
Podemos adoptar duas atitudes relativamente ao nosso futuro colectivo imediato. Ou acreditamos nele e apostamos nele. Ou dispomo-nos a desistir, sendo que desistir é morrer. Os desafios colocados pela Troyka, por causa da dívida cavada pela Gestão Política em Portugal, são, na verdade, os velhos desafios colocados pela Política à Portuguesa a si mesma e a nós. Durante anos, mesmo décadas, toda a noção de obra materializava-se em estruturas físicas, basicamente. Chegou a hora em que as dimensões espirituais, culturais e humanísticas farão toda a diferença no grande menu dos principais centros urbanos nacionais. Em vez de uma rotunda, um ciclo de Música Popular; em vez de um Anfiteatro e de uma Sala sumptuosa de Congressos e Espectáculos, uma Semana de Teatro e Poesia e a profusão de grupos onde a arte pontifique. Aqui se inscreve a minha confiança total nos munícipes que investem parte dos recursos autárquicos a manuais escolares gratuitos, a medicamentos comparticipados, a residências municipais sociais com apoio ou mesmo a vacinas fora do plano nacional igualmente gratuitas. As pessoas, primeiro, e não há melhor investimento quanto aquele que dignifica vidas, premeia responsabilidades assumidas e incentiva a excelência. Não alimento qualquer espécie de receio do futuro, no plano local. O futuro já está a ser moldado segundo a pedagogia da escassez do dinheiro e das crassas dificuldades que cada um experimenta só em sobreviver em Portugal. Portanto não concebo as nossas grandes cidades alhearem-se de um apoio muito concreto e inteligente a idosos sós tal como a famílias com baixos rendimentos. Um município rico pode e deve ser um município da gratuitidade em domínios absolutamente incontornáveis no plano social, ensino e saúde, e mesmo no combate ao desemprego pelo desbloquear de um reabilitação urbana acelerada especialmente nos centros históricos, onde a atenção dos turistas se concentra e onde geralmente mais se dispõem a consumir. Não se trata de mais emprego autárquico, de mais empresas municipais. Trata-se de não andar a passo de caracol na revolução da malhar urbana dos centros históricos de Porto, Lisboa ou Coimbra, por exemplo. Entretanto, os cortes apresentam-se-nos no horizonte como inescapáveis para fazer face às nossas necessidades de financiamento de curto, médio e longo prazos. Para garantir mais dinheiro, o Estado Português, nós, dependemos ou de mais impostos ou de mais supressões de despesas fixas. Não há volta a dar, mas qualquer família em que ambos os cônjuges ficaram desempregados sabe como regressar a um módico de equilíbrio financeiro doméstico, com que privações e com que dores, até voltar a levantar a cabeça. Desde logo, mediante um fundo de meneio diligentemente alimentado e irrenunciável. O Estado Português terá de comparecer de testa alta, credível, digno de confiança, junto de quem nos empresta dinheiro, amortizando o máximo de dívida possível, como há dois dias, coisa que se repercutirá na confiabilidade para toda a espécie de novos investimentos provenientes do exterior. Um Estado Dubitativo, Hesitabundo, em crise quanto ao caminho a seguir por um significativo desafogo das nossas contas, não atrai dinheiro, nem inspira confiança. Acabou o investir em estradas? Invista-se nas ideias, nos negócios inovadores com margem de progressão planetária. Não há futuro sem a obtenção do respeito do credor pois as intervenções troykistas só se dão em Países comidos de corrupção, com décadas de descontrolo legífero e hábitos manhosos de indisciplina orçamental a fim de satisfazer os estômagos estabelecidos dos mesmos que, segundo Paulo Morais, fazem do Parlamento a sofisticada plataforma de negócios que em nada interessam aos cidadãos, caos cultivado e acalentado pelos vampiros habituais dos orçamentos, basicamente um conluio entre banqueiros sem escrúpulos, políticos sem escrúpulos e construtoras sem escrúpulos, todos eles bem na vida, todos eles com um tipo de sucesso pessoal que esmaga milhões e os condena, todos eles com bom fato e gravata e o dinheiro como ídolo e finalidade religiosa. Confio inteiramente no futuro em Portugal, mau grado os sinais depressivos, mas é preciso que o PS deixe de vender ilusões e demagogias, é urgente que os partidos de Esquerda, abandando-se com o grande leque do Verbo Rebuscado e a perpétua Indignação profissional, abandonem a retórica ultrapessimista, amarga e sem esperança. Não é com doses de depressão e petrificação mental que se dá a volta ao Pacto de Perversão, criado e atraído por quem perverteu a Política, por quem sujou as mãos com negócios, negociatas, fretes e fellatios, bons para a Banca, bons para as Construtoras e as MegaFirmas de Advogados, horrorosos para nós.

1 comentário:

pvnam disse...

Os nazis made-in-USA são uns nazis do piorio: veja-se o que eles fizeram aos nativos norte-americanos - houve Identidades Autóctones que sofreram um Holocausto Massivo.
[mais, veja-se o que os 'globalization-lovers'/(anti-Identidades Autóctones) estão a fazer no Brasil aos nativos da Amazónia; etc]
.
Obs 1: devemos estar preparados para A CONVERSA DO COSTUME dos nazis made-in-USA: a sobrevivência de Identidades Autóctones provoca danos à economia.
Obs 2: mais, para os nazis made-in-USA as causas suficientes para desencadear uma guerra são quase infinitas!...
.
SÓ HÁ UMA MANEIRA DE SOBREVIVER AOS NAZIS MADE-IN-USA: ora, se os autóctones europeus não estiverem dotados duma Coligação Defensiva (do tipo NATO)… os nazis made-in-USA aplicarão aos autóctones europeus o mesmo 'tratamento' que foi aplicado aos autóctones norte-americanos.
[obs: armas convencionais não irá ser suficiente… serão necessárias armas de alta tecnologia… leia-se: a Rússia será um aliado estratégico da máxima importância]
.
.
.
P.S.
Nazismo não é o ser 'alto e louro'... mas sim a busca de pretextos com o objectivo de negar o Direito à Sobrevivência de outros!...
Os 'globalization-lovers' nazis que andam por aí… buscam pretextos... para negar o Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones.
Pelo contrário, os separatistas-50-50 não têm um discurso de negação de Direito à sobrevivência de outros... mais, os separatistas-50-50 não são anti-imigração -> os separatistas-50-50 apenas reivindicam o Direito à Sobrevivência da sua Identidade!... Leia-se: os 'globalization-lovers' que fiquem na sua... desde que respeitem os Direitos dos outros... e vice-versa.
.
P.S.2.
Manifestações não-violentas (à Gandhi) por toda a Europa:
- «Pelo DIREITO À INDEPENDÊNCIA/SOBREVIVÊNCIA contra o NAZISMO-DEMOCRÁTICO».
Nota: Existem mais de 1200 milhões de chineses, existem mais de 1200 milhões de indianos, etc, etc, etc… e… existem Nazis-Democráticos!... Os Nazis-Democráticos insistem em acossar/perseguir qualquer meia-dezena de milhões de autóctones que defenda a sobrevivência da sua Nação/Pátria… leia-se: os Nazis-Democráticos pretendem determinar/negar democraticamente o DIREITO À SOBREVIVÊNCIA de outros…
.
P.S.3.
-> Uma NAÇÃO é uma comunidade duma mesma matriz racial onde existe partilha laços de sangue, com um património etno-cultural comum.
-> Uma PÁTRIA é a realização de uma Nação num espaço.
-> Não-nativos já naturalizados estão com uma demografia imparável… leia-se: os 'parvinhos-à-Sérvia' - vide Kosovo - que fiquem na sua…
Resumindo: antes que seja tarde demais, há que mobilizar aqueles nativos europeus que possuem disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência... e... SEPARATISMO-50-50!