segunda-feira, setembro 16, 2013

POEMA EM LINHA RECURVA

Nunca conheci, na imprensa, nas rádios, nas TV, quem tivesse ousado declarar merdífero e impróprio para consumo-comentário o comentador Sócrates. Todos os meus co-bloggers têm sido esquecediços de tudo quanto lhe respeita. E eu, tantas vezes obcecado por ele, tão lindo a dizer coisas com embrulho mariquesco-gay na RTP, eu, tantas vezes insistente em que ele cheira mal e não tem vergonha nem se enxerga, a não ser o penteado artificialmente grisalho ao espelho, lindo, eu, tantas vezes fetichista com ele nu-nádegas por seviciar com ramos de rosas rubras, eu tantas vezes tresandescamente repetitivo contra ele, indesculpavelmente o mesmo acerca dele, eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para escrever sobre outra merda qualquer senão sobre ele, eu, que tantas vezes tenho sido obtuso, direitolas, elitista, nortista, que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das sinceridades orgânicas e viscerais, que tenho sido prolixo, exaustivo, monótono e pesporrente, que por isso mesmo tenho sofrido enxovalhos, escarros, mil dislikes e engolido, que quando não tenho engolido, tenho sido mais ridículo ainda com palavrões e palavronas; eu, que tenho sido cómico às turistas de hostel e às melgas iliteratas, eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos colegas de ócio e vítimas da dívida, eu, que tenho feito vergonhas vocabulares sem me arrepender, poupado dinheiro como um salazarento sem me indulgenciar sequer com uma cerveja, eu, que, quando a hora dos socos surgiu, me tenho inchado de peito para dentro da possibilidade de calçar socos e abandonar sandálias; eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas, dos grandes desprezos e grandes condescendências cínicas e invejosas, eu verifico que não tenho par nisto tudo neste merdi-mundo da bloga. Toda a gente que eu penso que conheço e que posta como eu nunca teve uma sanha ridícula anti-Sócrates, nunca postou enxovalhos a Sócrates, nunca lhe radiografou o recurvo carácter nem o imaginou paliativamente num cárcere húmido, com cheiro a mijo, nunca foi senão rei – todos eles reis – na grande bloga abstinente e incapaz de hostilizar o Poli-Indecente Político por antonomásia e por execrável excelência… Quem me dera ouvir de alguém blogger a voz humana no youtube que confessasse não uma tendência anti-Sócrates, mas uma equidistância anti-Sócrates e semi-pró-Passos; que emitisse, não um post arrasador sobre um Crato, mas um post atoleimado e sanguinolento anti-Sócrates! Não, são todos a Suprema Condescendência e Absoluto Olvido, se os leio e postam. Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi teimoso e militante anti-maçónicos, anti-jacobinos, anti-ateus, anti-mafiosos socialistas no grande antro do Rato? Ó reis, meus irmãos, arre, estou farto de puritanos e beatos laicos! Onde é que há gente na bloga? Então sou só eu que é obcecado e insistente vigiando um caramelo que abraçou Portugal com as pernas e ainda aspira a repetir a inglória proeza abraçando-o como Presidente da República desta terra? Poderão os leitores não os terem lido, podem ter sido encornados pela sintaxe – mas bloggers anti-Sócrates nunca! E eu, que tenho sido obcecado pela matéria socratesiana sem ter sido distraído, como posso eu postar como os meus iguais sem recalcitrar nesta relíquia culposa que ousa comentar lá, onde é imperdoavelmente culpado? Eu, que tenho sido anti-Sócrates, literalmente anti-Sócrates, anti-Sócrates no sentido milimétrico e atrevido da anti-socratice.

2 comentários:

Floribundus disse...

os deuses de esquerda são intocáveis

skeptikos disse...

Sejam intocáveis ou não, tenho seguido, partilhado e subscrito essa alergia, esse ódio por tal criatura!
Não está sozinho, pode crer.