quinta-feira, abril 04, 2013

ELES NÃO SABEM NEM AMAM VIEIRA

Há que dizer e repetir isto: o Dr. Vasco Graça Moura não está só, neste combate. Somos muitos milhares de apaixonados, assistidos pelo bom senso e por argumentos de puro bom gosto. Infelizmente, a grande maioria, perante o que nos fazem na economia, nas contas públicas, na cultura ou na Língua, é uma massa dormente e alienada.

Vemos que não há Povo, não há um sobressalto de asco, não há um azedume, não há um levantamento massivo. A grande maioria é a efígie imóvel que pode ser queimada mesmo num dos seus traços identitários, a Ortografia. Ela segue como se nada fosse.

Dir-se-ia que se pode legislar e actuar politicamente ao sabor da insanidade porque, no fundo, a maioria silenciosa e acrítica se limitará a mugir, indiferente, enquanto rumina a sua fatal neutralidade. Um Povo assim coloca-se à mercê de tudo, dos piores demagogos e das piores desgraças. Por isso é que é espiritual e anímica a nossa bancarrota. Dela só sairemos com caracteres afirmativos como o do Dr. Vasco Graça Moura.

1 comentário:

Anónimo disse...

"Vemos que não há Povo, não há um sobressalto de asco, não há um azedume, não há um levantamento massivo. A grande maioria é a efígie imóvel que pode ser queimada mesmo num dos seus traços identitários, a Ortografia. Ela segue como se nada fosse."

Creio que há um pouco de tudo.
Sejamos pessimistas, mas não demasiado. O povo português viu-se confrontado com uma inteligente, impiedosa e agressiva acção publicitária. Mesmo assim está a reagir - num país em que não há instâncias democráticas para acolherem os protestos e agir em conformidade - obedecendo.